PUBLICIDADE
Idai

João busca dignidade seis meses após o ciclone, as cheias e um AVC

21 | 09 | 2019   05.01H

Dias quentes e noites frias, passados em minúsculas tendas e lonas num campo de abrigo, guardam luto e miséria que teimam em cobrir milhares de deslocados do ciclone Idai, que continuam a lutar para se "reencontrar" com a vida.

Passaram seis meses desde a tragédia que atravessou as províncias de Sofala, Manica, Tete e Zambézia, no centro de Moçambique.

João Brás, 53 anos, sobreviveu à inundação, que se seguiu ao ciclone, e a um acidente vascular cerebral (AVC), depois de perder todos os bens, incluindo a casa dos seus sonhos: uma construção de alvenaria de três quartos, acabada de construir.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE