PUBLICIDADE
Vistos gold

Investimento chinês cai 15,7% até agosto e o de origem brasileira sobe 41%

21 | 09 | 2019   09.42H

O investimento chinês captado através da atribuição de vistos 'gold' recuou 15,7% até agosto, face a igual período de 2018, enquanto o brasileiro subiu mais de 40%, de acordo com dados pedidos pela Lusa ao SEF.

O investimento chinês por via de Autorizações de Residência para Atividade de Investimento (ARI) ascendeu a 163,7 milhões de euros nos primeiros oito meses do ano, uma descida de 15,7% face aos 194,4 milhões de euros registados em igual período de 2018, de acordo com os dados fornecidos pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Até agosto foram atribuídos 296 ARI a cidadãos chineses, o que compara com 348 um ano antes.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

6 comentários

  • TOURISTS GO HOME!! RONALDO WILL FUCK YOUR ASS!!
    CAMPINO | 24.09.2019 | 11.44Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Meus amigos Portugal esta entregue hà bicharada xuxicomuna ;Inflizmente temos uma elite politica corrupta ,basta ver como vai a justiça!Os intocaveis roubam o que querem e nâo devolvem um centimo!Temos que mudar as leis feitas por comunas e xuxas,mudar mesmo a constituiçâo .Tenho muita pena mas somos os pobres pedintes da Europa.Povo atrasado! Chamam a isto democracia!!!
    Farsolas | 21.09.2019 | 13.59Hver comentário denunciado
  • Cuba é Venezuela são e continuam a ser vítimas do desumano embargo dos EUA.
    Zé da burra o alentejano | 21.09.2019 | 11.52Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • O que verdadeiramente interessa é o bem estar de um povo e não os altos salários dos gestores e lucros das empresas quando se baseiam nos salários e regalias sociais de todo um povo. Que interessa os fenomenais lucros das petrolíferas angolanas e antigamente venezuelanas quando os seus povos nada beneficiam deles. A capital da antiga Venezuela era já então detentora do maior bairro lata da América latina
    Zé da burra o alentejano | 21.09.2019 | 11.47Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • A questão é, Portugal tem futuro como lacaio de Bruxelas, Berlim e Washington? A famosa classe empresarial que Portugal tem, é aquela tipo - os capitalistas que tinham empresas industriais antes do 25A e que depois do PSD-PS as ter devolvido após o 25N, rapidamente as fecharam e passaram a dedicar-se aos "serviços"? Até os "esfomeados" da Coreia do Norte conseguem fabricar mísseis enquanto que nós nem espingardas. Até os oprimidos pelo "brutal" regime comunista chinês qualquer dia ganham mais do que nós de salário mínimo. Só numa coisa estamos iguais à "faminta" Cuba, também nós exportamos médicos, mas não era a Portugal que eles mandavam os velhos serem operados às cataratas. Acorda POVO.
    Dono dos Burros | 21.09.2019 | 11.43Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Portugal com socialismo de extrema esquerda ,contra propriedade,capitalistas-grandes empresas- ricos e socialização de bens começa a fazer tocar campainhas no MUNDO EMPRESARIAL internacional e a relembrar uma espécie de HOLOCAUSTO VERMELHO via fiscal.O PPE domina a EU e EUA o MUNDO ,quem quer retornar a uma ideologia única deve olhar para CUBA,VENEZUELA,Bolívia,interior profundo da CHINA e ficar a saber se quer deslizar para os holocaustinianos vermelhos ou para o prgresso do PPE etc.A indefinição está a estrangular investimentos e crescimento.Ser Português é ser coerente com movimentos internacionais que promovam grande crescimento mas já vâo talvez tarde.A IDEIA sobre PORTUGAL EMPRESARIAL esta MORTA JÁ.Como ressuscitar?Com mais AIMI e outras semelhantes e a economia a descer pelo cano de esgoto ?A continuar assim a próxima legislatura levará PORTUGAL para nova e severa crise recessiva.O SAQUE e policas contra correntes á maioria dos países desenvolvidos tem elevados custos.
    Sinha | 21.09.2019 | 10.14Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE