PUBLICIDADE
PR/Itália

Marcelo defende alargamento da UE aos Balcãs "até para evitar explosões a prazo"

13 | 11 | 2019   21.24H

O Presidente da República defendeu hoje o alargamento da União Europeia aos países dos Balcãs "até para evitar explosões a prazo" e advertiu que "deitar fora a Europa é voltar ao caos interno".

No último ponto da sua visita de Estado a Itália, durante a qual insistiu na importância do reforço do projeto europeu, Marcelo Rebelo de Sousa retomou esta mensagem, numa conversa de mais de uma hora e meia com estudantes universitários, na sede do município de Bolonha.

O chefe de Estado afirmou que "a Europa tem de mudar, de se reformar para ser mais forte e mais próxima das expectativas dos europeus", antecipando e combatendo as causas dos fenómenos de demagogia, populismo, xenofobia e ultranacionalismos.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

1 comentário

  • Estamos órfãos. Já não temos quem nos defenda. O que temos são gauleiters, que por aqui estão em comissão de serviço. Portugal é uma velha Nação independente. É-o, porque ao longo da sua História sempre se recusou a ser mandada por Castela. Desde cedo os seus melhores filhos recusaram a tutela fosse de quem quer que fosse. Quando perdemos a Independência Nacional e o Filipe aqui desembarcou, perdemos porque as elites ao tempo, tal como as de agora, sonhavam com o leite e o mel que a integração no reino espanhol lhes iria proporcionar. Era a União Europeia deles, a sua CEE. Mas como Roma não paga a traidores, passados uns anos, tiveram que acordar e repor o que nunca se devia ter perdido. Que conversa mais estapafúrdia esta do alargamento aos Balcãs. É conversa encomendada por Washington. Nem mesmo com os últimos exemplos dos lacaios a quem o Império do Bem deixou de calças na mão, abrem os olhos a quem nunca os devia ter fechados. Tristeza e vergonha. A CRP diz o quê? Que devemos perder a independência? Que devemos ser um colónia? Que devemos deixar de decidir sobre o que é nosso? Quando os regulamentos e ordens vindas de Bruxelas entram no nosso ordenamento jurídico sem que nada possamos fazer, quando a moeda são os alemães que dizem quanta podemos ter. Que independência temos? NUNHUMA! Quando as nossas forças armadas obedecem à NATO em primeiro lugar, que independência temos? NENHUMA! Quando as nossas polícias que por cá choram baba e ranho que o horário é pesado, e pedem mais dinheiro, e se o tiverem, o horário deixa de ser pesado, vão servir o IV Reich no Mar Mediterrâneo e aí as ajudas de custo já lhes agradam e não refilam dos horários. Que segurança temos? NENHUMA!
    Dono dos Burros | 13.11.2019 | 22.32Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE