PUBLICIDADE
Luanda Leaks

Ativista Rafael Marques quer PGR angolana a investigar facilitadores estrangeiros

22 | 01 | 2020   14.46H

O ativista angolano Rafael Marques de Morais defendeu hoje que os facilitadores estrangeiros envolvidos na investigação conhecida como 'Luanda Leaks', que expôs os esquemas suspeitos na origem do império de Isabel dos Santos, devem responder perante a justiça angolana.

"O que nós vemos hoje? As riquezas de Angola, os privilégios em Angola são apenas para uma pequena elite e para os cidadãos estrangeiros, como vemos agora no caso Isabel dos Santos. É uma família e um batalhão de estrangeiros de vários países que vieram ajudá-la a saquear", declarou o também jornalista à margem do Colóquio "Juventude em Ação" promovido pelo Ufolo (Centro de Estudos para a Boa Governação), hoje apresentado em Luanda.

Salientando que o fundamental neste momento é a cooperação judicial, Rafael Marques considerou que a luta anticorrupção não tem sido apenas dirigida a Isabel dos Santos e sua família, já que há várias figuras públicas do MPLA (partido no poder) que foram indiciadas por vários crimes, mas notou que a Procuradoria Geral da República (PGR) de Angola não está a acusar estrangeiros.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE