PUBLICIDADE
Luanda Leaks

Trabalhadores da Efacec exigem que Governo defenda os 2.600 empregos do grupo

28 | 01 | 2020   16.47H

Os trabalhadores da Efacec exigiram hoje que o Governo tome "as medidas necessárias" para defender os 2.600 postos de trabalho do grupo, rejeitando que o atual "momento conturbado" seja "pretexto" para uma maior degradação dos seus direitos.

"Registam os trabalhadores a preocupação do primeiro-ministro, António Costa, que em declarações à imprensa se mostrou muito preocupado com a situação da Efacec. Exigimos do primeiro-ministro e do Governo de Portugal que ajam em conformidade, que tomem as medidas necessárias para a defesa dos mais de 2.600 postos de trabalho e para que a Efacec continue a ser uma empresa nacional e de referência", sustentam os trabalhadores dos polos da Arroteia (Matosinhos) e da Maia numa moção aprovada hoje em plenário por unanimidade.

Apelando ao executivo para que "não contribua para a degradação dos postos de trabalho e para a retirada de direitos", os trabalhadores recordam António Costa que, "em novembro de 2017, o Site-Norte [Sindicato das Indústrias Transformadoras e Energia do Norte] e as suas comissões sindicais lhe enviaram uma carta demonstrando preocupação com o que se passava na Efacec, carta [essa] que, até à data, não obteve qualquer tipo de resposta".

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE