PUBLICIDADE
Guiné-Bissau/Eleições

PAIGC espera que comunidade internacional assuma as suas responsabilidades e aplique sanções

28 | 02 | 2020   13.50H

O Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) espera que a comunidade internacional assuma as suas responsabilidades e aplique sanções, referindo-se à simbólica tomada de posse de Umaro Sissoco Embaló como Presidente do país.

"O PAIGC espera que a comunidade internacional assuma as suas responsabilidades e que continue a estar atenta ao que se passa na Guiné-Bissau, sancionando duramente todos aqueles que de forma antipatriótica, anticonstitucional e com claras evidências de ligação ao 'jihadismo' e ao narcotráfico, querem a todo o custo manter o atual 'status quo' como forma de poderem continuar a servir-se do país para continuarem a servir-se a eles próprios", refere um comunicado da comissão permanente do partido, com data de quinta-feira e que a Lusa teve hoje acesso.

No comunicado, o partido, liderado por Domingos Simões Pereira, refere também que o Presidente cessante, José Mário Vaz, é um dos "principais elementos com responsabilidade na execução deste atual golpe de Estado" ao dar "cobertura e permissão para a utilização da força a fim de permitir o empossamento de Umaro Sissoco Embaló sem esperar pelo pronunciamento definitivo do Supremo Tribunal de Justiça".

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE