lisboa

Comissão de avaliação reúne terça-feira pela primeira vez

01 | 10 | 2007   19.51H

A comissão de avaliação do sistema de controlo de velocidade e vigilância de tráfego de Lisboa, coordenada pelo vereador da Mobilidade, Marcos Perestrello (PS), foi criada por despacho do presidente da Câmara, António Costa (PS), a 13 de Setembro.

Integram a comissão, além de Marcos Perestrello, o vereador dos Cidadãos Por Lisboa Manuel João Ramos, o director municipal de Segurança e Tráfego, Fernando Moutinho, o comandante da Polícia Municipal, André Gomes, subcomissário Gancho da Divisão de Trânsito da PSP, o presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, Paulo Marques Augusto, presidente do Automóvel Clube de Portugal (ACP), Carlos Barbosa, Maranha das Neves em representação do Centro Rodoviário Português e Fernando Penim Redondo, promotor da petição.

A petição defende o aumento do «actual limite dos 50 km/h para os 80 km/h em todos aqueles troços que sejam do tipo ‘via rápida', com quatro faixas de rodagem e baixa frequência de atravessamentos».

Fernando Penim Redondo afirmou, contudo, à Lusa que «cada caso é um caso e é, por isso, difícil, haver uma opinião generalizada» sobre as vias em que a velocidade máxima deve diminuir.

«Queremos que se faça um estudo para que nas vias com duas faixas de rodagem de cada lado e separador central os limites sejam reavaliados», sustentou.

Fernando Penim Redondo exemplifica com o limite de 50 Km/h controlado por radar na Avenida Marechal Gomes da Costa, onde há um separador central e duas faixas de rodagem em ambos os sentidos e uma passagem superior de peões.

Segundo o promotor da petição, «há pequenas obras que podiam eliminar factores de risco, como intervalos no separador central que permitem o atravessamento pelos peões».

Fernando Penim Redondo adiantou que a primeira reunião da comissão deverá «discutir o método de trabalho a adoptar».

«Quando me falaram na comissão achei que era desde logo sinal de uma atitude positiva de abertura, ao colocar à mesma mesa pessoas de diversas sensibilidades», afirmou.

Entre o dia 16 de Julho, quando os 21 radares da capital entraram em funcionamento, e o dia 6 de Setembro, a Polícia Municipal de Lisboa registou em fotografia um total de 92.772 infracções, das quais 75.386 leves, 16.175 graves e 1.211 muito graves.

Com Lusa

1 comentário

  • Tenho a impressão que existe uma gralha no texto da notícia.
    Afinal é diminuição ou aumento?
    AC | 02.10.2007 | 01.20H
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE