PUBLICIDADE
Covid-19

Empresas de Ovar têm 150 ME em mercadoria retida pelo cerco sanitário

26 | 03 | 2020   05.32H

As empresas de Ovar têm "150 milhões de euros" de mercadoria em armazém e sem possibilidade de ser expedida, devido ao cerco sanitário e geográfico do concelho causado pela covid-19, disse o presidente da autarquia.

O dirigente da Câmara Municipal de Ovar, Salvador Malheiro, falava numa videoconferência com o Presidente da República, explicando que a situação se deve ao controlo de fronteiras que, desde a declaração a 17 de março do estado de calamidade pública no concelho, limita aos bens de primeira necessidade a circulação de mercadorias de e para o território.

O autarca defendeu que essas medidas têm assegurado eficácia ao cerco sanitário e ajudado a controlar a disseminação da covid-19, mas sublinhou que "para isso funcionar" as empresas locais "estão a sofrer muito" e têm atualmente retidos "150 milhões de euros só em stock impedido de sair do município".

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE