PUBLICIDADE
Actualidade

Ministro brasileiro defende invocação do Holocausto após críticas de Israel

29 | 05 | 2020   02.57H

O ministro da Educação brasileiro defendeu o direito a invocar o Holocausto, por ter familiares que sobreviveram a campos de concentração nazis, depois de Israel ter pedido ao Brasil para deixar o genocídio fora das disputas políticas.

"Não falem em nome de todos os cristãos ou judeus do mundo. Falo por mim! Tive avós católicos e avós sobreviventes dos campos de concentração nazistas. Todos eram brasileiros. Tenho direito de falar do Holocausto! Não preciso de mais gente atentando contra a minha liberdade", escreveu Abraham Weintraub, na quinta-feira à noite, na rede social Twitter.

As declarações do governante surgiram horas depois de a embaixada de Israel no Brasil ter pedido que as alusões ao Holocausto sejam deixadas de lado em disputas políticas internas, após um comentário polémico de Weintraub em que comparava busca policiais a aliados do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, com a "Noite de Cristal".

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE