PUBLICIDADE
BES

Ministério Público arquiva queixas contra gestores de contas

15 | 07 | 2020   18.05H

O Ministério Público (MP) arquivou as queixas contra os gestores de conta do antigo Banco Espírito Santo (BES), que venderam papel comercial de sociedades insolventes do grupo, por considerar que foram instrumentalizados.

De acordo com a acusação, a que a Lusa teve acesso, ?é forçosa a conclusão indiciária de que ocorreu a instrumentalização da rede comercial do grupo BES, para a apresentação de ativos tóxicos a clientes, e que assim foi capturada por um grupo de sujeitos que se congregou para a prática de ilícitos, e cujo sucesso dos seus atos assentava na boa reputação construída com o caráter secreto das várias dimensões dos seus comportamentos criminosos", alegou o MP.

Segundo o documento, depois de alterações legais, que obrigaram ao desinvestimento dos Fundos ESAF, foi tomada "a decisão de fazer bascular para os clientes de retalho a dívida que havia sido adquirida até então pelos Fundos ESAF, e uma vez que a rede comercial do grupo BES, mormente a institucional, estava saturada, sem condições de absorver os volumes de dívida que a ESI [Espírito Santo International] não conseguia recomprar", lê-se no documento. Esta 'holding' do BES estava, de acordo com o MP, insolvente desde 2009, e em 2013 tinha capitais próprios negativos de 2,7 mil milhões de euros.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

1 comentário

  • Passo seguinte, processar quem foi roubado. Não. Não estamos no universo de Kafka, antes estivéssemos, estamos em PORTUGAL, terra de LADRÕES e refinados MAFIOSOS.
    Dono dos Burros | 15.07.2020 | 19.38Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE