PUBLICIDADE
educação

Psicólogo defende ser impossível educar sem dizer não

24 | 10 | 2009   19.22H

“Aquela ideia, muito infeliz, de que as crianças se educam com pessoas boazinhas e que passa por se imaginar que dizer 'não' traumatiza as crianças é mentira”, afirmou o investigador, que lecciona na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.

Eduardo Sá falava à agência Lusa no final dos trabalhos do encontro “De SIM e de NÃO se faz a Educação”, que decorreu sexta-feira e hoje em Coimbra, depois de ter proferido uma palestra intitulada “Eduquem-se uns aos outros”.

Organizado pela Fundação Bissaya Barreto, o encontro teve como ponto de partida “A violência infanto-juvenil em contexto escolar a par da emergência de um novo fenómeno: a violência de filhos contra os pais, em contexto familiar”.

“Eu acho que é impossível sermos felizes sem entretanto dizermos que não. Os pais e os professores bonzinhos são invariavelmente os maiores amigos dos bons pais e dos bons professores”, sublinhou o investigador da Universidade de Coimbra.

Para Jorge Felício, responsável pelo encontro e director do colégio da Fundação Bissaya Barreto, “os participantes vão mais preparados para terem a coragem de dizer sim quando têm de dizer sim e não quando têm de dizer não, porque em muitas situações é mais fácil dizermos que sim e deixar passar”.

Entre os participantes, na sua maioria professores, encontrava-se a antiga directora regional de Educação do Centro, Lurdes Cró, que, em declarações à agência Lusa, disse que “a educação faz-se da capacidade de dizermos sim, e sempre sim, e não, sempre não, às coisas que consideramos dizer sim ou não”.

“Se não fizermos isto criamos uma insegurança enorme nas crianças e nos jovens, porque educar é uma arte, que é o equilíbrio de dizer sim e dizer não”, sublinhou, defendendo ainda que devia fazer parte do currículo dos professores formação na forma de “educar pela positiva para saber lidar com situações de stress na escola e saber lidar com crianças violentas”.

Na leitura final das conclusões, Cristina Cunha, da organização afirmou que “ainda temos muito (pais e educadores) a aprender: a escutar, a olhar, a falar, a usar as palavras, a elaborar pensamento, a gerir e a expressão emoções, a sentir e a mostrar afectos e a partilhar”.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
Foto: 123RF
Psicólogo defende ser impossível educar sem dizer não | © 123RF

8 comentários

  • É isso mesmo Palmada, mas eu sou menos facial, vou mais para o rabo e com colher de pau. Depois as minhas crianças andam direitinhas.
    Susana Neves | 29.10.2009 | 20.26Hver comentário denunciado
  • Em total acordo com o comentário da PALMADA.
    silvia | 29.10.2009 | 16.55H
  • 25.10.2009 | 16.38Hcomentário reprovado
  • Uma boa educação é dar uns pares de estalos bem dados na cara dos nossos putos, e já está a situação de respeito feita entre pais e filhos mais nada.
    palmada | 25.10.2009 | 15.19H
  • Educar é a coisa mais difícil numa sociedade. Então, quando muitos dos pais não possuem a educação mínima, está tudo dito. Normalmente as crianças não tem culpa dos pais que a natureza lhes dão, mas a sociedade ter por dever salvaguardar-lhes o futuro !
    alexandre barreira | 24.10.2009 | 20.05H
  • 24.10.2009 | 19.42Hcomentário reprovado
  • 24.10.2009 | 19.40Hcomentário reprovado
  • 24.10.2009 | 19.32Hcomentário reprovado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE