PUBLICIDADE
Covid-19

Promotores de eventos consideram cancelamentos sem "qualquer fundamento"

16 | 10 | 2020   18.07H

A Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE) defendeu hoje que os cancelamentos de espetáculos ao vivo, anunciados nos últimos dias por algumas autarquias, não têm "qualquer fundamento".

"Desde 01 de junho é possível fazer espetáculos ao vivo em Portugal, de acordo com as normas da DGS [Direção-Geral da Saúde], e foram realizadas entre 01 de junho e 13 de outubro mais de 12 mil atividades culturais, de forma exemplar. O que está a acontecer nestes últimos dias é que algumas autarquias pedem pareceres aos delegados de saúde locais, que dão pareceres negativos, e as autarquias cancelam os espetáculos, na nossa opinião sem qualquer fundamento", afirmou Sandra Faria, da APEFE, em declarações à Lusa.

Portugal Continental entrou às 00:00 de quinta-feira em situação de calamidade, devido ao aumento do número de casos de covid-19, com novas regras restritivas para travar a expansão da pandemia. A situação de calamidade vai manter-se, pelo menos, até 31 de outubro, altura em que o Governo fará uma reavaliação.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE