PUBLICIDADE
Covid-19

Medidas restritivas são "o cabo dos trabalhos" para teatros e companhias

23 | 11 | 2020   21.08H

As medidas decretadas pelo Governo, para controlo da pandemia, têm-se revelado "o cabo dos trabalhos", em cancelamentos de espetáculos e ajustamento de horários, para salas de espetáculos e companhias, que levam semanas a refazer horários e programação.

O diretor dos Artistas Unidos (AU), Jorge Silva Melo, disse à Lusa que tem sido "o cabo dos trabalhos", na companhia. Os últimos dias, disse, têm sido passados a ajustar horários, "de terça-feira a sexta, às 19:00", a fazer em vídeo alguns dos recitais que tinham previsto, a "ensaiar com máscaras 'A morte de um caixeiro viajante'", a peça de Arthur Miller que preveem estrear na sala Garrett, do Teatro Nacional D. Maria II, em fevereiro de 2021.

"Mas é bom" o trabalho, frisou, acrescentando que a companhia "está a conseguir" manter a atividade, porque "a disciplina é aceite com naturalidade por todos", além de que o "receio" de virem a ter ensaios cancelados, os faz "trabalhar mais depressa".

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE