PUBLICIDADE
PCP/Congresso

O congresso pós-geringonça, da saída adiada de Jerónimo e da pandemia

25 | 11 | 2020   11.30H

O PCP vai debater e analisar a experiência da "geringonça", acordo histórico à esquerda, num congresso, de sexta-feira a domingo, em que a substituição de Jerónimo de Sousa como secretário-geral deverá ficar adiada.

Nos últimos meses, militantes discutiram as chamadas teses, ou proposta de resolução política, um longo documento de 77 páginas (e mais de 265.000 carateres) de balanço dos últimos quatro anos no partido e que define a estratégia até 2024 num congresso que, mesmo antes de começar, com 600 delegados, metade do que em 2016, já está envolto em polémica por se realizar uma altura de pandemia e sob o estado de emergência.

Nas teses, os comunistas fazem uma avaliação positiva da "nova fase da vida política portuguesa" - como se refere o PCP à "geringonça" - embora admitam que teve resultados limitados.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE