PUBLICIDADE
Football Leaks

Contradições de inspetores da PJ levam juízes a questionar provas

19 | 01 | 2021   18.21H

As contradições entre os depoimentos dos inspetores da Polícia Judiciária (PJ) Hugo Monteiro e Aida Freitas levaram hoje o coletivo de juízes do julgamento do processo 'Football Leaks' a questionar a fiabilidade das provas.

Em causa estão as declarações das duas testemunhas na 31.ª sessão do julgamento, no Tribunal Central Criminal de Lisboa, a propósito do encontro entre o antigo CEO do fundo de investimento Doyen, Nélio Lucas, e o seu colaborador Pedro Henriques com o arguido Aníbal Pinto na área de serviço da autoestrada A5, em Oeiras, no dia 22 de outubro de 2015.

Durante a manhã, Hugo Monteiro contou que o inspetor-chefe Rogério Bravo o chamou para uma operação "onde poderia ocorrer uma detenção em flagrante delito", caso "houvesse entrega de algum objeto por um dos alvos aos outros alvos" ou se fosse dada ordem nesse sentido, sublinhando que o objetivo era "controlar o espaço e assegurar a segurança dos intervenientes" no interior do espaço de restauração da área de serviço.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE