PUBLICIDADE
Haiti/Sismo

Insegurança e violência dificultam missão humanitária

17 | 01 | 2010   20.34H

Fornecer ajuda humanitária requer "um ambiente seguro", frisou o tenente-general do Exército norte-americano, Ken Keen, explicando que a insegurança e violência nas ruas da capital haitiana têm vindo a aumentar exponencialmente.

"Vamos ter que resolver a situação de segurança", frisou Keen, uma vez que "já tivemos casos de violência que impediram a nossa capacidade de apoiar o Governo do Haiti e responder aos desafios que este país enfrenta."

Seis dias após o forte sismo de magnitude 7.0 na escala de Richter, multiplicam-se actos de violência e pilhagens nas ruas da capital do Haiti, com milhares de pessoas desesperadas por água e alimentos a pilharem supermercados e armazéns e a lutarem pelos poucos mantimentos que as agências humanitárias conseguem distribuir.

Os constantes tumultos durante as operações de distribuição de mantimentos fizeram com que as agências da ONU e o Governo haitiano precisem de fortes contingentes de segurança durante essas actividades.

"Nunca anunciamos o local onde vamos distribuir comida para evitar tumultos", declarou o capitão Marco León Peña, do contingente boliviano da missão da ONU no Haiti (Minustah).

León Peña e outras testemunhas relataram cenas de caos e agressões durante operações de distribuição de comida. O Exército norte-americano optou em algumas ocasiões por lançar os pacotes de comida de helicópteros.

Acresce que gangues armados, que já antes do sismo dominavam Port-au-Prince, começaram a percorrer as ruas da capital haitiana armados com catanas e armas de fogo.

Elementos da polícia haitiana abriram hoje fogo sobre um grupo de pessoas que saqueava um mercado na capital do Haiti, provocando pelo menos um morto.

De acordo com vários testemunhos de pessoas no terreno, a situação no Haiti está caótica e a falta de bens de primeira necessidade está a levar a um aumento de criminalidade que tem vindo a disparar.

No sábado, dois elementos da ajuda humanitária da República Dominicana ficaram gravemente feridos depois de terem sido atacados a tiro quando distribuíam comida na capital haitiana.

Há actualmente cerca de 1.000 soldados dos Estados Unidos no Haiti e mais de 3.000 estacionados em navios.

Mais de 12.000 elementos do Exercito norte-americano são esperados na região até segunda-feira.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE