PSD

Alexandre Relvas apela a Paulo Rangel e Aguiar-Branco para candidatura única

14 | 02 | 2010   18.52H

“Apoio a candidatura de José Pedro Aguiar-Branco, mas neste momento não posso deixar de apelar para que quer ele, quer Paulo Rangel estejam à altura do momento histórico que vivemos, colocando o interesse nacional acima dos interesses pessoais e consigam um entendimento que permita ao PSD apresentar-se ao país unido, com um líder forte e com a credibilidade necessária para ser uma alternativa de esperança”, declarou Alexandre Relvas à agência Lusa.

O ex-secretário de Estado do Turismo e ex-diretor da campanha presidencial de Cavaco Silva argumentou que “seguramente não há diferenças significativas entre os respetivos programas”.

“Ninguém perceberá - os militantes do PSD e os portugueses - que, num momento em que é fundamental para o país um PSD unido”, Rangel e Aguiar-Branco “não consigam ultrapassar eventuais divergências, estabelecendo um acordo que será inquestionavelmente uma prova do valor que atribuem ao interesse público”, considerou o empresário.

Segundo Alexandre Relvas, “a crise económica, a incapacidade do Governo, o desprestígio crescente do primeiro ministro, que perdeu totalmente a confiança do país, colocam hoje o PSD perante uma enorme responsabilidade”.

“É decisivo que o próximo líder do PSD tenha capacidade para ser primeiro ministro e para apresentar um programa político que renove a esperança”, acrescentou o conselheiro nacional social democrata.

No entender de Alexandre Relvas, “quer José Pedro Aguiar-Branco, quer Paulo Rangel correspondem a esse perfil”, e por isso apelou ao eurodeputado e ao líder parlamentar do PSD “para que unam esforços para apresentarem um programa conjunto e uma candidatura única”.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
Foto: Manuel de Almeida/Lusa
Alexandre Relvas apela a Paulo Rangel e Aguiar-Branco para candidatura única | © Manuel de Almeida/Lusa

4 comentários

  • mais um DITADOR-ZECO, MAIS UM QUE QUER MAIS AMIGOS PARA O TACHO, ISTO PARECE QUE QUEREM BRINCAR COM O FOGO, MAS VEJAM LÁ SE NÃO O ACEDEM,PARA BEM DE PORTUGAL E DOS PORTUGUESES, POIS PODE SER SE QUE SE ACABEM POR QUEIMAR.
    TOMAZ | 14.02.2010 | 21.34Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Acho que deviam seguir a sugestão de Alexandre relvas.
    Assim o que ficar será ganhador a Passos Coelho.
    Passos Coelho não garante uma oposição a Socrates.
    joao | 14.02.2010 | 20.06Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Como houve censura, repito o comentario: Qual dos dois será pior?
    Como é possivel Portugal ter chegado a este estado!?
    Estes rapazinhos que a D. Ferreira Leite protege, representam o dois juntos menos de 1/4 do partido, que é o que a D. Ferreira Leite deve representar neste momento.
    Este partido está condenado. Não tem hipoteses de subsistir. Está feito em pedaços, muitos pedaços.
    Aliás, o PSD não representa qualquer tipo de classe social ou ideológica em Portugal, nem nunca representou.
    O PSD iniciou-se como Partido Popular, aquilo que hoje o CDS quer ser, isso mesmo, PP. Nesses tempos, o leque politico português estava correcto e definido; tinhamos o CDS como partido da democracia cristã, o PPD como partido liberal, o PS como partido da social democracia e o PCP como partido mais à esquerda, para além de vários pequenos partidos das franjas direita e esquerda. Mas como nessa altura o povo olhava para os países nordicos onde a social democracia prosperava e ainda hoje prospera, o senhor Sá Carneiro resolve, num acto de "chico espertismo", e aproveitando-se miseravelmente da ignorancia do povo que tinha acabado de viver quase 50 anos de ditadura fascista, o senhor Sá Carneiro, dizia eu, resolveu mudar o nome do partido de PPD (Partido Popular Democratico) para PSD (Partido Social Democrata), burlando politicamente um povo que dava os primeiros passos em democracia. Foi a partir dessa altura que o PPD/PSD, como ainda alguns lhe chamam, se descaracterizou e se tornou um "partido" sem rumo. E ainda há quem diga que Sá Carneiro foi um grande estadista. O que ele foi, foi um grande burlão politico. Neste momento o leque politico está ocupado fraudelentemente, pois temos 2 partidos populares, CDS/PP e PPD/PSD, um partido liberal, PS, e duas forças politicas de esquerda, pelo que faltam um partido do centro esquerda que represente a verdadeira Social Democracia e um partido de direita que represente a verdadeira Democracia Cristã.
    Quando o leque politico português for dirigido por pessoas sérias, talvez o país saia da desgraça em que se encontra. Agora é tarde, mesmo voltando à sua condição de Partido Popular, emendando a burla de Sá Carneiro, acho que vão ao fundo.
    Paz à sua alma!!!
    Cumprimentos
    MariaL
    MariaL | 14.02.2010 | 19.23Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Qual dos dois será pior?
    Como é possivel Portugal ter chegado a este estado!?
    Estes rapazinhos que a D. Ferreira Leite protege, representam o dois juntos menos de 1/4 do partido, que é o que a D. Ferreira Leite deve representar neste momento.
    Este partido está condenado. Não tem hipoteses de subsistir. Está feito em pedaços, muitos pedaços.
    Aliás, o PSD não representa qualquer tipo de classe social ou ideológica em Portugal, nem nunca representou.
    O PSD iniciou-se como Partido Popular, aquilo que hoje o CDS quer ser, isso mesmo, PP. Nesses tempos, o leque politico português estava correcto e definido; tinhamos o CDS como partido da democracia cristã, o PPD como partido liberal, o PS como partido da social democracia e o PCP como partido mais à esquerda, para além de vários pequenos partidos das franjas direita e esquerda. Mas como nessa altura o povo olhava para os países nordicos onde a social democracia prosperava e ainda hoje prospera, o senhor Sá Carneiro resolve, num acto de "chico espertismo", e aproveitando-se miseravelmente da ignorancia do povo que tinha acabado de viver quase 50 anos de ditadura fascista, o senhor Sá Carneiro, dizia eu, resolveu mudar o nome do partido de PPD (Partido Popular Democratico) para PSD (Partido Social Democrata), burlando politicamente um povo que dava os primeiros passos em democracia. Foi a partir dessa altura que o PPD/PSD, como ainda alguns lhe chamam, se descaracterizou e se tornou um "partido" sem rumo. E ainda há quem diga que Sá Carneiro foi um grande estadista. O que ele foi, foi um grande burlão politico. Neste momento o leque politico está ocupado fraudelentemente, pois temos 2 partidos populares, CDS/PP e PPD/PSD, um partido liberal, PS, e duas forças politicas de esquerda, pelo que faltam um partido do centro esquerda que represente a verdadeira Social Democracia e um partido de direita que represente a verdadeira Democracia Cristã.
    Quando o leque politico português for dirigido por pessoas sérias, talvez o país saia da desgraça em que se encontra. Agora é tarde, mesmo voltando à sua condição de Partido Popular, emendando a burla de Sá Carneiro, acho que vão ao fundo.
    Paz à sua alma!!!
    Cumprimentos
    MariaL
    MariaL | 14.02.2010 | 19.09Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE