PUBLICIDADE
Comunicações

BE quer conhecer lista e valores das contrapartidas realizadas pelas operadoras

15 | 03 | 2010   08.38H

O pedido consta de um requerimento do BE, que será votado na terça feira, durante a reunião da comissão eventual de inquérito parlamentar à Fundação para as Comunicações Móveis (FCM).

"Solicitamos esta informação para podermos avaliar melhor, com dados concretos, a forma como foram validadas as contrapartidas" das licenças dos serviços móveis de terceira geração, afirmou à Lusa o deputado do BE Pedro Filipe Soares.

O deputado do BE disse que depois da audição de Eduardo Cardadeiro, que integra o grupo que contabiliza os investimentos realizados pelos operadores para a Sociedade de Informação, "ficou com mais dúvidas".

Durante a sua audição na comissão, Eduardo Cardadeiro disse que os operadores de telecomunicações já tinham investido 904 milhões de euros das contrapartidas das licenças dos serviços móveis de terceira geração.

"Na audição não ficou claro quais os critérios que foram utilizados para validar os projetos e importa clarificar, de uma vez por todas, quais os projetos que tiveram aval e quais os montantes por projeto", disse Pedro Filipe Soares

Os deputados da comissão de inquérito ouvem na terça feira o presidente do conselho geral da FCM em representação do Estado, Pedro Costa, e Paulo Trezentos, representante da Caixa Mágica, empresa responsável pelo software associado à aplicação de um jogo instalada nos computadores Magalhães.

A comissão de inquérito à FCM visa saber em que moldes foi adjudicado o fornecimento dos computadores Magalhães à JP Sá Couto e apurar o destino das verbas das contrapartidas das licenças para os serviços móveis de terceira geração.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE