PUBLICIDADE
Crise/Medidas

Luís Amado: «Esforço é absolutamente inevitável»

13 | 05 | 2010   11.16H

Luís Amado falava aos jornalistas à entrada da homilia no Santuário de Fátima, que será presidida pelo papa Bento XVI, tendo classificado o aumento de impostos proposto pelo Governo como "absolutamente inevitável".

"É absolutamente inevitável que o país faça o esforço que tem de fazer", disse Luís Amado, classificando a medida de "emergência", face "a uma situação internacional que mudou radicalmente nos últimos meses".

O governante sublinhou que "o que se está a passar na Europa exige da parte dos Estados que têm situações de desequilíbrio macroeconómico e financeiro, como Portugal e outros, um ajustamento rápido".

Luís Amado acredita que "os portugueses percebem que são medidas de emergência que têm de ser adotadas pelo Governo" e "contam, felizmente, com o apoio do maior partido da oposição que reconhece a gravidade da situação".

Para o ministro do Estado e dos Negócios Estrangeiros, "melhores tempos virão certamente, depois do esforço que vamos todos ter de fazer, de forma mais justa e mais distribuída, e o mais equitativa possível, de maneira a que rapidamente possamos restabelecer uma situação de normalidade económica e financeira".

O Governo deverá hoje anunciar um conjunto de medidas para acelerar a redução do défice e responder à pressão dos mercados internacionais. Entre as medidas que estão a ser negociadas com o PSD estão o aumento do IVA num ponto percentual nos três escalões, a subida do IRC em dois ou mais pontos percentuais, a redução de cinco por cento nos salários dos políticos, gestores públicos e membros das entidades reguladoras, para além de uma subida do IRS de 1 por cento para quem receba até cinco salários mínimos (2.375 euros por mês) ou de 1,5 por cento para quem receba acima desse valor.

Com estas medidas, o Executivo espera receber este ano cerca de 1.700 milhões de euros, o suficiente para que o défice das contas públicas possa chegar ao final de 2010 nos 7,3 por cento.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE