PUBLICIDADE
Cool Jazz Fest

Elvis, o contador de histórias

29 | 07 | 2010   08.16H

Folk, Rhythm and Blues, Rock e outras variantes puras da música inspiraram Elvis Costello a contar belas e doces histórias na sua grave, confiante e inconfundível voz num concerto em Cascais no ambiente perfeito.

Noite quente de Verão, um público participante quando assim tinha de ser, um cenário natural belíssimo com bonitas e antigas árvores iluminadas, um céu estrelado, como devia sempre ser e uma Lua a iluminar levamente o Parque Marechal Carmona, para um concerto a condizer.

Elvis começou há hora marcada, para 40 minutos que mais não foram do que uma preparação para um primeiro encore que veio um concerto que não estava a cativar até ali tudo aquilo que podia.

Segundo concerto após encore

Falador, simpático, com vontade de nos contar as suas histórias pelas canções e pelas palavras antes delas, Mr. Elvis Costello falou no concerto só com músicas tristes e calmas que deu anteriormente em Portugal, Elvis homenageou o período da música dos anos 1920 e 1930, que tanto gosta.

Com Slow Drag with Josephine deu um tom vaudeville ao concerto e explicou: "Isto é como o rock and roll soava em 1921". Blame it on Cain foi outro dos bons momentos, tal como New Amsterdam, a versão dos Beatles You've Got to Hide Your Love Away e I Want You, deram vibração a uma noite que foi melhorando em crescendo.

Acompanhado pela banda ao seu estilo com vários instrumentos, The Sugarcanes, nunca deixando o seu chapéu que é já imagem de marca e com várias referências a Portugal e Cascais, Elvis chamou o público para vir das cadeiras até mais junto do palco, criou um ambiente mais intimista e deu o seu melhor - e o seu melhor é de uma qualidade rara e com o que de mais puro a música tem.

Entre músicas novas e mais antigas, nunca faltou coerência e referências a épocas, como Jimmie Standing in the Rain, sobre 1937. Houve ainda tempo para algum rock que agitou o público, um segundo encore e a música-referência do cantor, She.

"No último concerto em Portugal cantei músicas tão tristes que às vezes parecia que o público dizia 'shhh, shhh'". Este foi o mote para a música She, que pôs uns a filmar e outros, acompanhados, a balançar o corpo no momento mais romântico da noite, num concerto de Verão que teve duas horas de boa música.

João Tomé | jtome@destak.pt
Foto: EPA
Elvis, o contador de histórias | © EPA
She foi o grande momento da noite
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE