PUBLICIDADE
Incêndios/Ponte da Barca

População de Germil enfrenta incêndio há dois dias sem apoio de um só bombeiro

12 | 08 | 2010   21.05H

João Pereira descreveu à agência Lusa que as chamas, que chegaram a atingir 1,5 quilómetros de frente e a estenderem-se por três quilómetros, foram enfrentadas, de dia e de noite, nas últimas 48 horas, com vassourras, pás, enxadas, mangueiras, baldes de água e outros utensílios agrícolas.

“Não tivemos nem um bombeiro ao nosso lado”, frisou o autarca de Germil, sublinhando que, apesar dos pedidos insistentes feitos ao comando da Proteção Civil, apenas houve cinco descargas de água de um helicóptero, mas deitadas num local "longe das chamas que ameaçam a povoação".

João Pereira diz que a ausência de bombeiros ou de outros meios humanos e materiais "é inadmissível” e acusa as autoridades do Parque Nacional da Peneda-Gerês de "terem muitas teorias sobre a preservação do ambiente, prejudicando as populações, mas deixando arder tudo o que há no seu interior".

O autarca sublinha que as populações – espalhadas por uma zona de quase dois quilómetros – têm procurado salvar não só as casas da aldeia, mas também uma mata de carvalhos e castanheiros ali existente. “Se aquilo começa a arder, então é que ninguém para o fogo”, assinalou.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE