PUBLICIDADE
OE2011

Ferreira Leite (PSD) considera que este Orçamento "é inevitável"

03 | 11 | 2010   13.33H

Estas posições de Manuela Ferreira Leite foram assumidas numa intervenção durante o debate na generalidade do Orçamento do Estado para 2011, que foi aplaudida de pé pela bancada do PSD e que foi saudada com palmas pelo presidente do CDS-PP, Paulo Portas.

Respondendo a um pedido de esclarecimento do líder do Bloco de Esquerda (BE), Francisco Louçã, Ferreira Leite afirmou que "neste momento, não há outra solução, mais coisa menos coisa, medidas melhores, medidas piores" e reforçou depois que, em termos gerais, este Orçamento "é inevitável".

No seu entender, no entanto, falta um "alerta fundamental no discurso político, porque é isso que dá a dimensão da gravidade da situação em que nos encontramos", de que "o caminho da correção do que está errado é um percurso longo e muito exigente, que não fica por 2013".

"A situação não se resolve em dois ou três anos. Mais, é preciso que se diga que para se chegar a bom termo, para que estes sacrifícios valham a pena, é preciso que não sejam desperdiçados em manobras políticas talvez convenientes mas intoleráveis. É tempo de as tentações partidárias cederem aos interesses nacionais. É tempo de olhar a realidade para a enfrentarmos com menos sofrimento e com resultados no futuro", acrescentou.

A antiga ministra das Finanças assinalou que não se ouviu neste debate "nem do senhor primeiro-ministro nem do senhor ministro das Finanças o aviso de que este Orçamento, aquele de que o país precisa, não é a salvação, mas apenas o início de um caminho, não é um episódio esporádico ou um sonho mau do qual acordaremos em breve".

"Tudo será inútil se, na ânsia de falsos louros, ao primeiro sinal positivo se recuar no rumo traçado – o que, como sabemos, tem sido sempre uma grande tentação deste Governo. O maior risco que se corre este ano, com este Orçamento, é o de ele conseguir reduzir o défice para o valor anunciado e de seguida o Governo relaxar em relação a esse objetivo", considerou.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE