PUBLICIDADE
saúde

Ministra garante 5.000 camas de cuidados continuados até final do ano

22 | 02 | 2008   13.23H

De acordo com Ana Jorge, que hoje cumpre a sua primeira visita oficial ao Algarve, existem actualmente cerca de 1.800 camas de cuidados continuados, prevendo-se que até ao final de Março sejam 2.300 e até ao final do ano 5.000.

«Se me pergunta se são poucas [camas] em função das necessidades, eu diria que sim porque as necessidades são grandes», afirmou aos jornalistas, depois de inaugurar a Unidade de Cuidados Continuados de Média Duração e Reabilitação de Tavira.

Salientou que há um ano e meio «não havia nenhuma cama aberta» e disse que a meta de 5.000 camas poderá ser alcançada através de um concurso que abre no próximo mês e que envolve apoios financeiros de 15 milhões de euros.

A Unidade de Cuidados Continuados de Média Duração e Reabilitação de Tavira, com cerca de 20 camas e que é gerida pelo núcleo local da Cruz Vermelha Portuguesa, entrou em funcionamento em Dezembro de 2007.

Segundo dados do Ministério da Saúde, prevê-se que até ao final do ano o Algarve tenha 405 camas integradas na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, quando actualmente há 195 camas.

Destas 195 camas, 42 são de convalescença, 43 de média duração e reabilitação e 74 de longa duração e manutenção, havendo ainda 36 camas em Unidades de Internamento de Centros de Saúde.

Questionada sobre o avanço do Hospital Central do Algarve, a instalar no Parque das Cidades, a ministra da Saúde afirmou que tudo corre a «bom curso» e que serão «provavelmente» mantidos os prazos que prevêem o arranque das obras em 2009 e conclusão em 2012.

«O programa funcional está aprovado e em breve terão notícias», concluiu a titular da pasta da Saúde, que aprovou o programa no final da passada semana, cumprindo as intenções do seu antecessor, que previa fazê-lo até ao final do mês de Fevereiro.

Com Lusa

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE