PUBLICIDADE
Angola

UNITA homenageia fundador Jonas Savimbi, morto há nove anos

22 | 02 | 2011   20.03H

No encontro foram realçadas as qualidades política, social e diplomáticas de Jonas Savimbi, pelas vozes do vice-Presidente do partido, Ernesto Mulato, da líder da bancada parlamentar do partido, Alda Sachiambo, do deputado e membro fundador do partido, Samuel Chiwale, e o porta-voz da UNITA, Alcides Sakala.

Em declarações à Agência Lusa, Alcides Sakala, disse que o encontro serviu para “manter acesas as chamas dos ideais defendidos por Jonas Savimbi e pelos quais deu a sua vida”.

“A luta pela democracia, uma justiça social, o combate à corrupção, o respeito pelos direitos humanos são factores dinâmicos que se mantêm actuais”, salientou Alcides Sakala, frisando que, com a morte de Jonas Savimbi, os militantes herdaram “um instrumento de luta que é o partido por ele fundado”.

Alcides Sakala, que focou a sua intervenção na perspetiva diplomática, sublinhou a importância do papel desempenhado pelo fundador da UNITA, na diplomacia, que “fez da UNITA um partido que sempre esteve presente nos grandes acontecimentos internacionais”.

“Com a UNITA e a sua luta no interior do país, sobretudo na fase contra a presença de forças estrangeiras em Angola, Savimbi conseguiu colocar a UNITA no seio do debate internacional, tendo contribuído para as grandes decisões que se tomaram e que levaram ao fim do muro de Berlim e na destruição da União Soviética”, disse o porta-voz do partido.

“Na nossa região, a diplomacia da UNITA permitiu também dar passos concretos para a retirada simultânea das forças cubanas e soviéticas de Angola, aliada à independência da Namíbia, à libertação de Nelson Mandela e ao fim do apartheid”, acrescentou.

Alcides Sakala disse que o fundador da UNITA “marcou uma época importante da história de Angola, continua a ser uma figura incontornável, com um pensamento e uma filosofia própria, que vai influenciar o debate em Angola por muitos anos”.

No discurso de abertura da cerimónia “de reflexão”, a UNITA exortou os militantes e simpatizantes do partido a “não se deixarem distrair pelas encenações do regime, com promessas vãs”.

“Continuemos a honrar e a dignificar a memória de todos quantos deram suas vidas por esta pátria redimida, impregnados na memória do nosso mais alto líder e fundador do partido, Jonas Malheiro Savimbi”, exortou a UNITA.

Jonas Malheiro Savimbi fundador da UNITA, um dos três movimentos de libertação de Angola, nasceu a 03 de agosto de 1934 e morreu a 22 de fevereiro de 2002, nas imediações da localidade de Lucusse, província do Moxico, onde foi morto em combate.

Após a sua morte foi assinado um acordo de paz, a 04 de abril de 2002, que pôs fim a mais de três décadas de um conflito armado, que opunha o MPLA, partido no poder, e a UNITA.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
Saiba mais sobre:
Foto: DR
UNITA homenageia fundador Jonas Savimbi, morto há nove anos | © DR

12 comentários

  • ah grande assassino monstruoso, ele mereceu a morte que teve, e foi bem tarde.
    calin | 27.02.2011 | 20.28Hver comentário denunciado
  • O grande TERRORISTA, Africano. Ate abri de 1974, matava portugueses. A partir de Abril de 1974, matava Angolanos. Quem pode homenagear um terrorista deste ? So quem for igual aquilo que ele foi.
    Angolano | 23.02.2011 | 21.03Hver comentário denunciado
  • Essas mesmas chamas acesas que ele soube manter acesas, como foi dito nos comentarios, foram as mesmas com que ele queimou portugueses vivos dentro d eu carros numa terra pouco abaixo de ambriz (a Norte de Luanda), mas pronto toda a gente é livre de dizer o que pensa, mas quem la esta e eu ja la estive voltei 1 ou 2 anos antes de ele falecer, e ha muita aresta para limar e na minha opinião savimbi so trouxe desgraça, matando angolanos e portugueses.
    Alexandre Ribeiro | 23.02.2011 | 20.47Hver comentário denunciado
  • Esta foi mais uma dos EUA.
    Mas nem sempre se está em cima.
    Os EUA vão cair, pode que daqui mais uns anitos, generais e não só tenham que se sentarem no banco dos réus.
    Vamos esperar para ver.
    joao | 23.02.2011 | 20.40Hver comentário denunciado
  • Pessoas mais velhas,na sua sabedoria,ensinaram-nos a RESPEITAR pessoas k já não fazem parte deste mundo.De k adianta insultar um ser humano morto k já não se pode defender? "Akela pessoa k diz amar a Deus Pai e não amar o seu semelhante é mentirosa!Como é possível amar a Deus Pai sem nunca 0 ter visto e não amar o seu irmão a kem vê?" JONAS MALHEIRO SAVIMBE foi um homem corajoso e k soube manter acesas as chamas dos seus ideais para a defesa do seu País. K o Senhor Deus Pai de toda a humanidade tenha a sua alma em paz! K assim seja!
    Maria Madalena | 23.02.2011 | 10.45Hver comentário denunciado
  • Pois, e se calhar se os portugueses não tivessem regressado a Portugal, o país estaria bem melhor. Estou a residir em Angola e devo dizer que é um país com um clima excelente, uma grande potencia. O povo é que não o sabe explorar, é uma terra muito rica. Mas, também, uma terra com muita corrupção! Espero que com as próximas eleições, não decidam distruir tudo novamente.
    Nuria M. | 23.02.2011 | 10.22Hver comentário denunciado
  • Olhem outro bandido que correu com os portugueses após a descolonização, senão seriam mortos e roubaram tudo os que tanto trabalharam, para hoje ser um País rico para uma dúzia e milhões na pobreza, e isto foi bom para os Angolanos? Claro que não porque estavam melhores se fossem Portugueses, porque a riqueza era distribuída e não para uma dúzia.
    Morreram milhares após a guerra e continuam a morrer e a ficarem deficientes porque na Guerra civil deixaram bombas que nunca souberam onde estavam porque nunca fizeram um mapa, e assim as Crianças e mais é que sofreram.
    As crianças pobres claro.
    Castanheira do Ribatejo
    Jaime Pereira
    Jaime Jorge Pereira | 23.02.2011 | 10.21Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Não foi a UNITA que matou portugueses.Foi a UPA.E este Senhor ajudou muitos Portugueses em Nova Lisboa.Arranjou transporte e deslocou-as para a África do Sul de onde partiram para Lisboa.E as pessoas têm o direito de homenagear quem querem e quem admiram.Podemos não gostar, mas não podemos insultar.Até porque supostamente vivemos em Democracia e uns são Católicos outros Protestantes e uns são do Benfica e outros do Sporting ou do Porto.E uns gostam de amarelo e os outros de verde ou azul.Vivemos em sociedade e temos de respeitar as ideias e os ideais dos outros e não achincalhar.Eu conheci este senhor era miúda e tratou-me muito bem.Por vontade dele os Portugueses nunca tinham vindo para Portugal.
    carla | 23.02.2011 | 09.05Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Coitado . . . !
    Os próprios Kuatchas . . . !
    Deram cabo dele . . . !
    alexandre barreira | 23.02.2011 | 07.23Hver comentário denunciado
  • Outro sanguinário nojento. O mundo está cheio deles.
    Alice | 23.02.2011 | 01.41Hver comentário denunciado
  • Este era terrorista, os que lá estão são terroristas e ladrões... o povo morre de fome e a filha do J. Eduardo dos santos anda em Portugal a gastar o dinheiro roubado pelo pai!
    Angolana | 22.02.2011 | 23.04Hver comentário denunciado
  • O maior TERRORISTA, Africano. Ate abri de 1974, matava portugueses. A partir de Abril de 1974, matava Angolanos. Quem pode homenagear um terrorista deste ? So quem for igual aquilo que ele foi.
    Angolano | 22.02.2011 | 21.57Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE