Jovens em Destak

Jovens licenciados e (falta de) acesso ao mercado de trabalho

27 | 02 | 2011   22.40H

Um artigo de opinião, a propósito do refrão «que mundo tão parvo, onde para ser escravo é preciso estudar», da canção dos Deolinda, desencadeou um debate em torno da condição dos jovens licenciados, dos obstáculos que enfrentam no acesso ao mercado de trabalho, do desemprego e da precariedade laboral de uma nova geração.

Durante a semana que se lhe seguiu, recebemos muitas centenas de comentários, revelando a enorme relevância desta questão para os nossos leitores, que se torna ainda mais actual à medida que se aproxima a data do protesto «Geração ‘À Rasca’», marcado para dia 12 de Março. Motivo mais do que suficiente para que o Em Destak de amanhã, secção de reportagem publicada todas as terças-feiras, seja inteiramente dedicado a este tema.

Não sendo possível publicar todos os comentários por óbvia falta de espaço (mas que podem ser lidos no nosso site), reproduzimos nesta edição excertos de alguns dos mais marcantes e que exemplificam as questões mais frequentemente levantadas.

Foto: Tiago Sousa Dias/CM
Jovens licenciados e (falta de) acesso ao mercado de trabalho | © Tiago Sousa Dias/CM

6 comentários

  • Não só os licenciados , mas sim todos os jovens têm ditreito ao mercado do trabalho., jovens que tiraram cursos de necânico e outros não têm saída no mercado do trabalho.. `´E triste estes jovens dependerem dos pais. Por favor srs governantes tenham muita atenção para este problema da nossa sociedade falta de temprego para a camada jovem.
    Inês | 22.03.2011 | 20.20Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • lol
    Incógnita | 01.03.2011 | 03.59Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Portugal nunca quis saber das suas gerações mais jovens. Não quiseram saber dos que foram combater na guerra colonial, não quiseram saber dos que emigraram e agora este país de merda iria querer alguma coisa com os formados de agora?
    Joel Ferreira | 28.02.2011 | 23.17Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Os licenciados desempregados ou estudantes universitáriso se forem espertos vão estudar uma lingua estrangeira qualquer e depois emigrem para terem uma vida melhor.Foi o que eu fiz e só estou arrependido por não ter emigrado muito mais cedo,e deixar este país de mer## que se chama Portugal
    Carlos - Macau | 28.02.2011 | 14.25Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • O problema é que a comunicação social tenta resumir o problema aos licenciados, o que não é verdade.
    Foi iniciado sim por licenciados que estão desempregados e com razões mais do que suficientes para também eles protestarem, mas se os leitores se derem ao trabalho de se informarem no facebook do protesto geração à rasca, verificarão, que o problema que faz o movimento marchar nas várias cidades, é muito mais grave do que se tem tentado fazer crer.
    Desempregados com ou sem curso, problemas sociais de toda a forma (é só escolher), várias gerações e não apenas uma.....mas acima de tudo, se tenta naquele protesto, dar voz aos que não a têm.
    Não se esqueçam que também existem muitos que não têm condições para ter uma internet e esses com a ajuda de outros, marcharão, pois são os que estão mais prejudicados socialmente.
    É tentarem tapar o sol com a peneira.
    É o estado a manipular os média, para estes manipularem as opiniões públicas.
    queriastu | 28.02.2011 | 14.15H
  • E qual é o problema...? Se não há trabalho para o cidadão comum porque haveria de haver para os licenciados...? Num tempo já há muito IDO quem protagonizava as grandes Fábricas e afins eram, normalmente, pessoas de cultura fraca ou mediana... Chamaram-lhes fascistas e reaccionários e a malta e com razão mandou-os dar uma volta ao Bilhar grande...É que sabe e pode ganhar para Si e para quem colabora, também ´capaz de vencer sozinho... Daí esta crise...SEM FIM À VISTA... Esperemos para ver se tenho ou não razão...?
    BayBay | 28.02.2011 | 11.59H
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE