Livro

"Francesinhas à Moda do Porto" apresentado domingo com "molho picante"

05 | 03 | 2011   16.35H

O livro “Francesinhas à Moda do Porto”, de João Carlos Brito, é apresentando no domingo, no Porto, e reúne “cinco contos hilariantes, servidos em molho picante e, claro, com acentuada pronúncia” portuense.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

“Todos os contos giram em torno da francesinha” e o ingrediente predominante neles é o “humor”, adiantou o autor à Agência Lusa, referindo que o livro contém ainda um Dicionário Gastronómico Tripeiro, que promete ser “do caraças também”.

Neste caso, são mais de 500 vocábulos e expressões relacionados com a gastronomia, a alimentação e a cozinha, utilizados na gíria e no calão do Porto, muitas vezes com um duplo sentido, como são os casos de termos como cacete, comer ou grelo.

“Esperto como um alho”, “Estás é a arrotar postas de pescada”, “Cheira-me a estrugido…”, “Não gosta de dobrar o garfo”, “É um pastelão” e “Nicles batatóides” são algumas das entradas que o dicionário elenca, explicando-se ali o seu significado e origem.

Para além disso, o dicionário contém diversos artigos desenvolvidos sobre alimentos e expressões genuinamente do Porto, a sua história etnográfica e etimológica.

Para abrir o apetite, João Carlos Brito revela que “Francesinhas à Moda do Porto” conta que uma tal “Guilhermina Doravante encontra os comprimidos azuis do falecido”, que este escondia nos bolsos de um casaco, e, “por obra do acaso, deixa-os cair no molho das francesinhas”.

“Como o que não mata engorda, desconhecendo a sua função, tritura-os com a varinha mágica e serve a clientela. E o milagre aconteceu, nessa noite, na Rua do Bonjardim…”, acrescenta o autor, ficando-se por aqui.

Noutros contos desta obra, fica-se ainda a saber como “uma francesinha pode salvar uma vida” (em Posso tirar-lhe um segundo?), até “mesmo a humanidade” (A última ceia) ou “salvar gémeos dos perigos da floresta” (Maria João e António Maria).

João Carlos Brito - portuense nascido no Hospital de São João e professor bibliotecário na Escola Secundária de Gondomar - é um reincidente neste terreno em que o Porto, o seu calão e as suas peculiaridades idiossincráticas são utilizadas como material literário, num registo bem disposto e acessível.

Há pouco mais de um ano, lançou o livro “Heróis à Moda do Porto”, que reúne, também, histórias e um dicionário de calão tipicamente portuenses.

Vendeu, então, mais de 20 mil exemplares em dez dias.

João Carlos Brito conta que começou a “estudar calão na Universidade de Aveiro”, onde se licenciou em Línguas, Literaturas e Culturas Modernas, variante de Português-Francês.

A “partir daí” tomou-lhe o gosto, aprofundou as suas pesquisas e verteu-as para livro.

“Francesinhas à Moda do Porto, da editora Lugar da Palavra, será apresentado por um grupo de ex-estudantes da Faculdade de Engenharia que, a pretexto de se encontrarem, “vão todos os meses comer uma francesinha”, narrando depois essa experiência no blogue “Projeto Francesinha”.

Foto: DR
"Francesinhas à Moda do Porto" apresentado domingo com "molho picante" | © DR

5 comentários

  • Merda para as francesinhas.Só servem para engordar.Então não é mto melhor comer uns caracoizitos e beber umas minis ?( Sou Portuense )
    Carolina Salgado | 07.04.2011 | 00.31Hver comentário denunciado
  • é isso mesmo portuense, e viva o porto carago, e esses lisboetas têm a mania de se axarem superiores aos do poto carago. E viva as nossas francesinhas, as melhores do psís
    cigano | 06.03.2011 | 18.47Hver comentário denunciado
  • Em Lisboa comem a merda dos caracois, lentos como os lisboetas!
    Portuense | 06.03.2011 | 15.21Hver comentário denunciado
  • Pelo aspecto até lhe chamaria FRANCESINHA À LE PEN...
    ÌNTIMA | 06.03.2011 | 06.56Hver comentário denunciado
  • Tudo o que é à moda do Porto, me dá vontade de vomitar. A começar pelo FC Porto e o Pinto da Costa.
    Groaaaahahahhahah... groaaaahahahahah....
    anónimo | 06.03.2011 | 04.20Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE