PUBLICIDADE
Sporting/Eleições

Godinho Lopes apela à união e recusa "excessos"

27 | 03 | 2011   21.17H

Godinho Lopes, eleito presidente do Sporting, apelou hoje à união e disse ter ficado "triste" com os incidentes verificados junto do Estádio José de Alvalade na madrugada de hoje, por ocasião do anúncio dos resultados eleitorais.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

"Muitas vezes se atiraram pedras numa campanha acesa e eu também tive expressões que não devia ter tido, mas o momento é agora para se guardarem as pedras no bolso, ou de as deitar fora. O momento é de união", afirmou Godinho Lopes.

Horas depois de ter tomado posse como sucessor de José Eduardo Bettencourt na presidência do Conselho Diretivo, Godinho Lopes recusou que a margem com que foi eleito - 360 votos de diferença para Bruno de Carvalho – afete a legitimidade da sua eleição para um mandato de três anos.

"Ganhei por essa margem, como poderia ter perdido com essa diferença. Fui eleito para servir o Sporting e o momento é de união e de unidade entre todos os sportinguistas. Houve um momento quente de madrugada e fiquei triste", referiu.

Para o presidente do Sporting, que disse estar "sem dormir, com uma direta", houve "uma imprudência na forma como foram apresentados os resultados no exterior" do estádio, defendendo que "o auditório VIP teria sido o local mais indicado", com "condições mais propícias".

Godinho Lopes afirmou que "foram sempre dadas contrainformações que desmobilizaram as outras listas e mobilizou a Lista C”, de Bruno de Carvalho, que já confirmou a intenção de impugnar as eleições devido a alegadas “inconformidades”.

"Ao verificarem que a esperança e as expetativas criadas não eram reais, as pessoas ter-se-ão sentido enganadas", registou Godinho Lopes, salientando que "não concorda com excessos".

O novo presidente do Sporting vincou mesmo que não permitirá agora “manifestações que sirvam para mostrar indignação" de forma incorreta.

Salientando que vai convocar os seus quatro adversários – Bruno de Carvalho, Pedro Baltazar, Dias Ferreira e Sérgio Abrantes Mendes – para "falar", Godinho Lopes recusou a ideia de que vai ter uma oposição forte, em particular por parte do candidato da Lista C.

"Só será oposição forte se, por um lado, não souber tomar conta do barco e não tiver capacidade para mostrar a minha liderança e se, por outro lado, não houvesse vontade de servir o Sporting", declarou, reforçando que será "um presidente a tempo inteiro".

Quanto à vontade de Bruno de Carvalho de impugnar o ato eleitoral, o presidente eleito, com 36,55 por cento dos votos expressos (a Lista C obteve 33,15), frisou que "o ato eleitoral terminou" e lembrou que "foi eleito".

Sem conhecer "a fundamentação jurídica", Godinho Lopes disse ainda que a possibilidade de impugnação não o deixa intranquilo.

Saiba mais sobre:

1 comentário

  • Os leões não se entendem dentro da própria jaula.
    Portanto, isto é similar às eleições entre Al Gore vs Bush. Bruno de Carvalho teve mais pessoas a votar nele, mas ganhou o Godinho Lopes, pois obteve mais votos.
    Carvalho canta vitória com os adeptos em delírio. Passados uns minutos chegaram à conclusão que tinha sido derrotado e o Godinho profere o discurso de vitória numa sala fechada com meia dúzia de pessoas. Eis, o verdadeiro Sporting. Uma lástima.
    Não sei porquê, mas isto até cheira a mãozinha de Pinto da Costa.
    Fernando | 27.03.2011 | 23.17Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE