PUBLICIDADE
Ajuda Externa

Portugal recebe a 1 de Junho segunda tranche da ajuda da UE, de 4,75 mil milhões de euros

25 | 05 | 2011   20.50H

A Comissão Europeia anunciou que Portugal vai receber a 01 de Junho uma segunda tranche do empréstimo ao abrigo do mecanismo europeu de estabilização financeira, no valor de 4,75 mil milhões de euros.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

Depois de, na terça-feira, Bruxelas, em nome da UE, ter colocado 4,75 mil milhões de euros em obrigações, com um prazo de maturidade de 10 anos, para financiar os empréstimos previstos nos programas de assistência financeira de Portugal e Irlanda – destinando 1,75 mil milhões a Lisboa e 3 mil milhões a Dublin -, hoje voltou a colocar igual montante, mas com uma maturidade de cinco anos, e destinado na íntegra a Portugal.

Com estas duas operações realizadas em dois dias consecutivos, as duas primeiras tranches da ajuda a Portugal concedidas ao abrigo do Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (MEEF) ficam então já processadas: 1,75 mil milhões de euros, a 31 de Maio, e 4,75 mil milhões, no dia seguinte, isto já depois de o FMI já ter entregue na terça-feira 6,1 mil milhões de euros da parte que lhe cabe no pacote de ajuda.

A Comissão Europeia comentou que as duas operações, possíveis devido às condições de mercado favoráveis e forte procura por parte dos investidores, permitem assim destinar a Portugal na próxima semana estas duas primeiras tranches da ajuda, que darão ao país "uma situação de liquidez confortável", em linha com os objectivos do programa português.

As obrigações destes 4,75 mil milhões vencem a 03 de Junho de 2016, a uma taxa de juro de 2,75 por cento, aponta a Comissão Europeia, justificando-se a taxa de juro inferior àquela aplicada à primeira tranche com o facto de a maturidade ser também mais reduzida.

A forte procura de investidores nesta segunda emissão veio da Europa - desta vez com Reino Unido à cabeça (17 por cento), seguido da Alemanha e Áustria (14 por cento), nórdicos (12 por cento) e França (11 por cento) -, mas também da Ásia (16 por cento) e Médio Oriente (7 por cento).

Quanto ao tipo de investidores, desta feita as obrigações seduziram especialmente os bancos centrais e instituições oficiais (36 por cento), seguidos de perto por bancos (32 por cento) e gestores de activos (27 por cento).

Os ministros das Finanças da UE aprovaram em 17 de Maio último um pacote de assistência financeira a Portugal num total de 78 mil milhões de euros durante três anos repartido em partes iguais de 26 mil milhões pelo MEEF, Fundo Europeu de Estabilização Financeira e FMI.

Saiba mais sobre:
Foto: DR
Portugal recebe a 1 de Junho segunda tranche da ajuda da UE, de 4,75 mil milhões de euros | © DR

4 comentários

  • Vai ser bonito. Nós nem os juros vamos poder pagar. A nossa sorte é o Sócrates ganhar as eleições para dizer que está tudo bem...
    a.pereira | 26.05.2011 | 18.26Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Continua a corrupção e a politica do funil!!! Uns recebem e outros pagam!!!
    E, ñ passamos da cepa torta!!! A Grécia já fala em voltar ao Dracma e para quando nós ao Escudo??? A divida aumenta?!?! Que pague quem a pediu e fomentou!!!
    Ruptura com a U.E., para acabar de vez com as directivas e financiamentos k apenas servem para explorar e fazer depender das minorias, os Povos e Nações Livres e Independentes!!!
    Os nossos descendentes, vão "viver" dias de escravatura à conta do k lhes iremos deixar! É esse o Amor k dizemos ter por eles???
    E O POVO PÁ???
    Jorge Towers Lx | 26.05.2011 | 09.13Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Pois FZAPPA...Até se nota que o Socas não tem ganancia do phoder...Até se nota pelo que ao longo dos tempos se vai dizendo e falando do género de pessoa qque será ou foi...Para estes cidadãos todos os partidos são uma merda...menos o deles que aumentaou para o dobro ...o calo made-in-Portugal...78.000.000 é o empréstimo e vamos que ter de pagar 110.000.000... Ninguém fala na saída de Victor Constâncio do Banco de Portugal...? Então o Homem não se apercebeu do BURACO que deve ter sentido diariamente nas contas respectivas...? Não, ele não fugiu...Quem fugiu foi Barrosos e Gurerres...? Ora poupem-me...senão eu (VAREIO...!)
    Catarina; St Eufêmia...da CARRIÇA - V.Conde... | 26.05.2011 | 08.17Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Primeiro, pagar aos políticos, Forças Armadas e o resto dos funcionários públicos, prestações de bens que adquirimos, pagamento de prestação de serviços ao estado (empreiteiros, lavandarias, papelarias, farmácias, etc), que não são poucas, SÓ NISTO VAMOS FICAR SEM GUITO OUTRA VEZ... A minha "empresa" trabalha 90% para o Estado e já não recebe á mais de 9 meses qualquer valor... será que vão pagar o que devem?!... Ou primeiro é para eles, a seguir para eles e depois para eles?!... Não sei, não sou pessimista, mas tenho a certeza que tenho um Estado caloteiro, e isso é um péssimo exemplo para os cidadãos...
    fzappa | 25.05.2011 | 23.13Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE