Media

Fotojornalista João Silva visitado pela primeira-dama norte-americana

31 | 05 | 2011   21.45H

O fotojornalista de origem portuguesa João Silva, que recupera em Washington de ferimentos graves após um acidente no Afeganistão em Outubro, recebeu segunda-feira, no feriado do “Memorial Day”, a visita da primeira-dama norte-americana, Michelle Obama.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

Segundo adianta David Dunlap no blogue de fotojornalistas do New York Times (“Lens”), jornal ao serviço do qual Silva pisou uma mina enquanto acompanhava forças norte-americanas no terreno, Michelle Obama deslocou-se ao Walter Reed Army Medical Center para se inteirar da recuperação de militares e do fotojornalista.

“Pareceu-me uma pessoa amável e atenciosa”, disse ao blogue do Times João Silva, que no último natal recebeu a visita do vice-presidente Joe Biden.
Michelle Obama perguntou sobre os progressos do fotojornalista, que perdeu ambas as pernas no acidente, e distribuiu presentes aos dois filhos de Silva, Isabel e Gabriel.

Após saber da visita, quando Michelle Obama já estava a caminho do hospital, o fotojornalista fez questão de colocar as próteses.

“Queria ser capaz de cumprimentá-la de pé”, adiantou ao blogue do Times o fotojornalista de 44 anos.

Recentemente, Silva recebeu a visita do diretor executivo do New York Times, Bill Keller, que o entrevistou a propósito do lançamento do filme “The Bang Bang Club”, uma adaptação do livro homónimo que o fotojornalista publicou em 2000 com Greg Marinovich sobre a sua experiência no terreno durante o fim do regime do Apartheid na África do Sul.

O Memorial Day, última segunda-feira de Maio, é um feriado nacional de evocação dos militares norte-americanos vítimas de conflitos.

A 16 de Janeiro, João Silva teve o seu primeiro dia fora do hospital militar, em cadeira de rodas, e foi visitar o monumento dos veteranos da guerra do Vietname, em Washington.

Em Fevereiro, o fotojornalista natural de Lisboa experimentou as suas primeiras próteses, no hospital militar Walter Reed, onde tem sido acompanhado pelos pais, mulher e filhos.

As despesas médicas estão a ser suportadas pelo New York Times, que também assumiu os encargos das viagens dos pais de João Silva e de Marinovich até Washington.

O jornal tomou ainda a iniciativa de integrar Silva nos seus quadros, que até aí era apenas contratado para serviços.

Os médicos norte-americanos fizeram várias operações aos membros inferiores, amputados, de forma a prepará-los para as próteses, bem como no abdómen e bexiga, órgãos que sofreram ferimentos graves provocados pelos estilhaços.

O fotojornalista residia em Joanesburgo desde muito novo e notabilizou-se na África do Sul, tendo posteriormente trabalhado para a Reuters e AP em vários teatros de guerra.

A 23 de Outubro, quando acompanhava uma patrulha norte-americana no Afeganistão, pisou uma mina anti-pessoal de fabrico russo, depois de os especialistas terem dado o terreno onde se encontravam como desminado.

Saiba mais sobre: