PUBLICIDADE
PS

Soares diz que desaconselhou Seguro a ser ministro no Governo de Guterres

27 | 06 | 2011   21.53H

O ex-Presidente da República Mário Soares afirmou hoje que desaconselhou António José Seguro a trocar o Parlamento Europeu por um lugar no Governo em 2001, mas este mesmo assim saiu de Estrasburgo por lealdade a António Guterres.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

Mário Soares falava na apresentação do livro do candidato à liderança do PS António José Seguro, intitulado “Compromissos para o futuro”, editado pela Quetzal.

Na sua intervenção, o ex-Presidente da República referiu-se ao período em que Seguro foi seu colega como eurodeputado no Parlamento Europeu, entre 1999 e 2001 - ano em que o agora candidato a líder do PS abandonou Estrasburgo para desempenhar as funções de ministro Adjunto no segundo Governo liderado por António Guterres.

Segundo a versão contada pelo ex-Presidente da República, Seguro era “um excelente” eurodeputado, sendo “considerado por todos os grupos parlamentares e por todos os países”.

“Faltavam três anos para acabar a legislatura, houve um problema nacional e o [António] Guterres, que estava numa situação aflitiva, fez um apelo ao António José Seguro para vir para o seu Governo”, referiu Soares, dizendo depois que aconselhou Seguro a não aceitar o apelo de Guterres.

“Disse-lhe para não ir porque o Guterres só iria aguentar-se mais três ou quatro meses e depois Seguro perderia um lugar importante no Parlamento Europeu.

Mas ele respondeu-me uma coisa extraordinária, dizendo que tinha uma grande admiração por Guterres, que ele lhe fez um pedido e por isso iria corresponder ao pedido”, acrescentou Mário Soares.

Para o ex-Presidente da República, poucas pessoas teriam tomado essa opção seguida por Seguro, dando como explicação o facto de os ordenados no Parlamento Europeu serem então muito superiores aos de um ministro português.

“Ele [Seguro] está num caminho importante para o nosso país. Não obstante a derrota do PS, digo que a derrota não é uma humilhação, pois é normal em democracia e às vezes aprende-se mais com as derrotas do que com as vitórias”, frisou Soares.

Na sua intervenção, Mário Soares fez rasgados elogios aos compromissos assumidos por António José Seguro no livro que agora edita.

“São verdadeiros compromissos de uma grande importância. Só uma pessoa com grande coragem, com grande inteligência e com grande sabedoria é capaz de assumir”, considerou Mário Soares, recebendo palmas da plateia.

Foto: Luís Aniceto
Soares diz que desaconselhou Seguro a ser ministro no Governo de Guterres | © Luís Aniceto

1 comentário

  • Ouvi já este caodidato a chefe do PS... Confesso que não gosto do estilo deste cara e ouso mesmo dizer que pelo que vejo e ouço, este cara não vale nada. Não tem, nem de perto nem de longe, o nível e o à-vontade de Francisco Assis. Como é que um tipo que pretende sair da casca, 40 anos depois da Abrilada ainda fala em Fascismo como se este não seja, hoje, muito mais amplo...? Vá plantar Couves. ~~~ Ao comentante diria; por que não te callas?
    Bico Amarelo | 28.06.2011 | 09.45Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE