PUBLICIDADE
OPINIÃO

Os dias

19 | 09 | 2011   21.06H
Luisa Castel-Branco

Estou sentada na beira da vida à espera do comboio. Tenho a certeza de que virá um comboio, uma carruagem marcada com um sinal qualquer e eu saberei que é para mim.

Estou sentada à beira da vida e não vejo o comboio e espero por ele. Há tanta gente a passar, gente com pressa, gente feliz, gente com lágrimas. Estou sentada à beira da vida e não é um mau local para se estar. Os outros, aqueles que sabem para onde vão, os que não têm perguntas, e os que não sabem sequer que tal existe, todos eles enchem os dias e as horas escorrem e escorrem enquanto eu espero a minha vez. Estou sentada à beira da vida e aqui refugiada posso olhar sem que ninguém me veja.Por isso mesmo mergulho nos olhos opacos da multidão e sei as histórias todas que os vestem como uma segunda pele. Há muito barulho. Vindo de todos os lados. Um ruído permanente que envolve tudo e os passos apressados batem nas calçadas, no alcatrão, nas madeiras das salas das casas como cascos de cavalos.

Aqui sentada à beira da vida à espera, atenta aos pormenores, dou comigo a viver a vida dos outros, a sentir-lhes as dores como minhas e os risos, poucos.
Estou sentada à beira da vida à espera do comboio com a carruagem marcada.
Cada um tenta resolver os mistérios à sua maneira. Por mim, estou segura de que quando entrar no comboio, na carruagem marcada, tudo o que foi a minha vida vai ter uma explicação. Até lá, embrulho as minhas perguntas na saia rodada, aconchego-me melhor na beira da vida que é inclinada e a espaços tento descortinar lá longe os carris. Até hoje não vi a carruagem com o sinal mágico mas continuo aqui.

© Destak

16 comentários

  • Atão caralho??? Num ha mais cumboios??
    passageiro | 26.09.2011 | 23.19Hver comentário denunciado
  • Posso cuntare uma historia de cumboios tambeinhe? Olha taba eu in campainhá, e vem o Zé da farmácia cuma puta duma borracheira e diz.me assim. Ó tó ja biste a carmelinda hoije? Eu disse. Que carmelinda carailho? Num tás a falar da Irmelinda? Sim essa. Ó tó ja tou cuma puta duma farda... e o cumboiio ja beio? Tou à ispera disse eu.
    ToQuim | 23.09.2011 | 01.14Hver comentário denunciado
  • Estou sentado à espera do comboio. Mesmo a meu lado, uma senhora com rosto cansado, pensando estar sozinha, peida-se. Peida-se, e volta a peidar-se como se o mundo acabasse amanhã. De cada vez que se peida grita, olé, olé... Só depois, e com ar envergonhado, ela repara que não está só. Vira-se para mim e pergunta. Ah o senhor desculpe. Esta aqui ha muito tempo? Eu, gentilmente respondo. Desde que começou a tourada, sua porca. Vá cagar-se ao caralho. Mil perdões ela pediu, mas não é com perdões que se evita o cheiro pestilento de um poderoso e barulhento peido. Subitamente uma jovem acerca-se. Certamente para apanhar tambem o comboio. Olhei para ela e pensei para comigo. Foda-se! Ca ganda vaca. Olha-me só para aquele par de mamas.... esfregaça a focinheira naquelas mamas horas a fio. Ela, sorrindo, e alheia aos meus poéticos pensamentos cumprimenta-me. Boa tarde. Boa tarde? Questionei eu. Boa tarde o caralho!!! Só se for para si. Envergonhadamente quase sussurando ela responde com um sorriso malicioso. Que queres ó paneleiro? Eu, que até aqui tinha tentado manter o nivel, perdi as estribeiras, chamei-lhe vários nomes, e apalpei-lhe aquele enorme par de mamas. A outra senhora, quase alheia ao que se passava em seu redor continuava a cagar-se como um elefante. Eu disse-lhe, rais foda a velha. Vai cagar ao caralho. Entretanto a jovem rapariga ja me estava a dar o numero de telefone e a esfregar o cu no meu magalho. Ja estavamos a combinar uma boa foda, daquelas à maneira.... e eu.... sentado à espera do comboio.....
    Fernando Pessoa - ODE AOS COMboios | 23.09.2011 | 00.07Hver comentário denunciado
  • Qualquer dia o Destak vai convidar a D. Marluz para escrever na coluna da necrologia. Fosg-se, a senhora é uma seca mas das antigas !!!!!! Ronhonho ronhonho, escreve escreve e não diz nadinha de jeito. Pelo amor de Deus. É só gente deprimida e platónica neste país. Escrevam sobre as vossas fantasias sexuais, libertem-se. Vivem presas dentro de uma concha, não sei se fruto da educação sombria que tiveram ou se são deprimidos por natureza.... Para pessoas como a senhora, um lindo e quente dia de Verão não passa de um sombrio e escuro dia de inverno quase ao anoitecer. Eu até gosto desses dias, mas se estiver na cama, bem acompanhado, depois de dar uma boa foda e ficar a contemplar o exterior, a chuva a bater no vidro, e eu nu, com uma gaja ao meu lado com as maos nas mamas dela.... uma lareira, um copo de bom vinho e mais uma espetadela. Tem que ser a vida custa a todos. Animem-se criaturas, vivam a vida que so temos uma.
    ANTICRISTO | 22.09.2011 | 21.05Hver comentário denunciado
  • Só mais uma coisinha. Quem tem tempo para pensar assim e escrever estas baboseiras deprimentes, certamente não tem mais nada importante com que se preocupar, como pagar casa, contar o dinheiro para sutentar a familia, etc.... Se a srª tivesse que lutar como o zé povinho de certeza que não ia sentar o cu à espera do comboio. A não ser que fosse o da Amadora Sintra às 5 da manhã para ir gastar o coirão a TRABALHAR !!!!!
    ANTICRISTO | 22.09.2011 | 19.13Hver comentário denunciado
  • No TGV do Sócrates não vai embarcar, ao que dizem! No do seu querido Passos Coelho, talvez, mas mais devagar, pelos vistos. Entretanto, "Batem leve, levemente, como quem chama por mim..." Se não é a chuva, nem o vento, nem os vizinhos ou outros mortais, serão os anjos, certamente. Goria, gloria, alleluia!
    SINA | 22.09.2011 | 19.05Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Porque esta que esta D. Marluz não se junta com a D. Luisa e as duas escrevem um texto de merda ainda pior que este^? A luisa se esta à espera do TGV das duas uma, ou espera sentada ah ah ah, ou então como diz o amigo Barreira, se for o TVG é melhor ir de autocarro pois os lugares ja estão marcados. Agora pergunto eu. A srª não tem mais nadinha para escrever? Que coisa mais deprimente. Como diz o Albicastro, esperneie, grite, dê umas fodas, mas anime-se mulher. O que os portugueses menos precisam neste momento é de textos decadentes ridiculos, sem sentido nenhum e depressivos. Acho que só a sua amiga Marluz é que entra nas suas depressões. Vocês as duas num reality show sobre maniaco depressivos, ganhavam com toda a certeza. Olhe, eu não estou à espera de comboio nenhum. Como, bebo, fumo, dou umas fodas, e vivo a viva o melhor que posso. O muro das lamentações é em Israel......
    ANTICRISTO | 22.09.2011 | 19.00Hver comentário denunciado
  • Oh mulher, deixe-se disto! Não há cá comboios marcados para ninguém! Lute, grite, esperneie até à última! Nós estamos cá para isso. Essa é a nosa obrigação principal, a nossa condição humana!
    Albicastro | 22.09.2011 | 11.18Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • A autora parece ter voltado aos textos que ao lermos temos a sensação de já termos lido tudo aquilo na escrita de outros escribas. E não só o texto da autora...
    Abel | 20.09.2011 | 19.41Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Olá Dª. Luísa ... Gosto de a ler ... sentir/ escrever e partilhar o que vai na alma ... porque "as palavras podem voar mas a escrita " deixa algo ... é uma "arma" de arremesso... porque quem a lê reflectirá ... é uma das chaves mestras, nos nossos dias para despertar consciências, valores e apetências escondidas e inatas em nós... já é um sentido na sua vida não é? apesar da minha visão dos dias ser diferente... evasão, libertação... A inércia é o pior inimigo da nossa vida...e a normalidade têm os seus padrões instituídos... Mas afinal quem criou esta distinção? Não gosto de estar à beira da vida ... mas sim ser parte da vida ... minha e dos que me rodeiam... É verdade que o Homem vive cada vez mais isolado egoísta ... paradigmas actuais ...O prazer da entrega é substituído pelo medo de ficar sem algo, de ficar vazio. Isso é miséria afectiva, em que as pessoas passam fome de amor, apesar da abundância de amor que existe na humanidade... É como na miséria humana, na qual pessoas passam fome, apesar de produtivas, porque os recursos gerados são usados para aumentar o controle de umas sobre as outras. A miséria afectiva é tão ou mais grave do que a miséria material, pois tira do ser humano a sua condição de homem participante de sua espécie o Ser Social, porque conduz o homem à mesquinhez, à solidão. Mas as pessoas condicionam-se a seguir padrões predeterminados em que o novo incomoda, amedronta, revela os sistemas que a família e toda a sociedade desenvolveram para anular a sua criatividade... e começam a viver dentro de um medo... Medo de ser abandonado, rejeitado ou criticado ... e em catadupa O Mundo é mágico e há tesouros por toda a parte ... temos é que descobri-los ... Sempre e como em tudo, é urgente questionar o aparente... Podemos pintar um Mundo mais colorido ... arrancar sorrisos abertos em rostos sisudos ...Viver a vida com Arte ... Uma arte mais colorida para anular o menos colorido nesta vida ...também podemos ter a arte de criar um Mundo menos escuro, aperfeiçoando-o tornando-o mais como o "Arco da Velha" ... Viver é arte subjectiva perante a objectividades das pessoas e coisas... A coragem é uma prova subliminar de criar o nosso quotidiano ...e a visão do Mundo mais Bonita ..
    Marluz | 20.09.2011 | 15.26Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Cara Luisa! Não, não vou usar de paternalismos, nem de "insultos" mais ou menos velados, para comentar o que escreveu. O segredo do seu estado de alma está no terceiro parágrafo do seu artigo. Às pessoas hipersensíveis acontece muitas vezes sentirem-se assim! É defeito? Não sei, é uma característica que afecta aqueles que a têm, sem dúvida! Mas deixe lá, que é dessa massa que são feitos grande parte dos Artistas. E que havia de ser da humanidade sem eles! Fica aqui um poema para si. « Se não fosse esta certeza, que eu nem sei donde me vem......................................... Não comia, nem bebia, nem falava com ninguém.......................................... ............... Acocorava-me a um canto, no mais escuro que houvesse.......................................... ..... Punha os joelhos à boca e viesse o que viesse! » A. Gedeão
    VITÓRIA DE SAMOTRÁCIA | 20.09.2011 | 13.58Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Luisa, luisa ande a pé e viva a vida tal como ela é, sabe é preciso saber envelhecer, perdemos anos mas ganhamos sabedoria que só os anos nos ensinam e começamos a não desperdiçar o tempo com coisas vulgares. O mês de Setembro é muito dado a depressões, mas a minha mãe dizia-me que depressão é coisa de ricos e os pobres deviam rejeitar, por isso mesmo eu não vou entrar numa coisa chique e chata que é a depressão, aliás mando-a para o espaço. Nunca mais fez a feira da mulher e está em falta connosco que tanto gostavamos de ir Á SUA FEIRA
    ana santos | 20.09.2011 | 12.50Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Você está há espera do comboio desde que nasceu, Luísa, só que ainda não se tinha apercebido disso. E por que raio haveria agora de querer tanto aperceber-se disso? Os comboios andam cada vez mais atrasados, Luísa, e há até quem desconfie que brevemente demorarão a aparecer, já só mesmo por encomenda! Anime-se por isso, e aproveite para se desfazer de vaidades e cultivar a humildade, e então vá caminhar por aí fora a apreciar as coisas e pensar sem medos na excepcional construção de tudo isto, e à noite estenda-se e durma descansada, como a pousar sobre as águas. Cumprimentos, Luísa.
    DEIXE-SE DE CHORAMINGUICES | 20.09.2011 | 11.16Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Luisinha: eu também espero pelo comboio, com destino incerto. Mas mesmo que houvesse lugar para mim, nao podia apanha-lo porque nao tenho dinheiro para o bilhete. Espero e que o comboio me traga mantimentos para minha subsistência.
    R. S. | 20.09.2011 | 11.11Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Eu também já fui assim. Depois comecei a usar roupa interior menos apertada e a fazer sexo com mais frequência. As depressões acabaram rapidamente.
    saladino | 20.09.2011 | 10.14Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Cara Luisa . . . ! Não sei se . . . ! Conseguirá lugar . . . ! No comboio . . . ! Porque está . . . ! Cheio de "malguinhas" . . . ! A cantarem o . . . ! APITA O COMBOIO . . . ! Há 37 anos . . . ! ! !
    alexandre barreira | 20.09.2011 | 07.51Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE