PUBLICIDADE
INSTANTES

Em nome do filho

24 | 10 | 2011   22.53H
Luisa Castel-Branco

“Ema acreditava nos desígnios de Deus.
Não que fosse especialmente crente, ou sequer cumprisse com os mandamentos da Santa Madre Igreja.
Bem pelo contrário.
De igrejas, guardava apenas na memória as recordações da infância, a mãe que teimosamente continuava a usar o véu na missa de Domingo, a subir o adro de pedra, a empurrar as portas pesadas de madeira escura, qual comandante de um exército bem disciplinado.
Na sua cauda seguiam os cinco filhos. Impecavelmente vestidos, que a boa da senhora sempre tivera umas mãos de fada, e do pouco fazia muito.
Todos vestidos de igual, os calções e as saias de xadrez vermelho e azul, as camisas brancas, e quando o frio apertava, os casacos de malha que ela própria os fazia, as agulhas gigantes sempre a rodopiarem nas suas mãos secas.
Efectivamente, Ema abandonara a religião tão logo saíra a porta de casa de seus pais, ou mais exactamente, quando ela própria com o seu belo vestido de noiva com um enorme véu que cobria todos os degraus e parte do adro da igreja, os mesmos degraus e o mesmo adro que ela e os irmãos, em fila, dois passos atrás da mãe tinham em tempos percorrido todos os Domingos sem qualquer omissão.
Mas continuava a acreditar nos desígnios de Deus.
Mas continuava a acreditar nos desígnios de Deus.
A sua fé, se assim se poderia chamar, era perigosamente pagã.
Ema sabia desde criança ler as vozes do vento como se de uma partitura se tratasse.
De igual forma, olhava as nuvens e adivinhava-lhes as voltas, o desenrolar do desenho daquela espécie de linho branco, tão suave, tão puro”
In Em Nome do Filho, Editora Clube do Autor

© Destak

19 comentários

  • I love the way you wrote this article. This is wonderful. I do hope you intend to write more of these types of articles. Thank you for this interesting content! http://www.authentic-jordans.com
    authentic jordans | 01.10.2012 | 20.12Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Luísa, Tenho verdadeiro encantamento em ler tuas Crônicas.Descreves a vida sem perder o lirismo, o que me agrada aos montes. Agradeço a oportunidade de conhecer um pouquinho dos teus preciosos Escritos. Felicidades são os votos dessa tua leitora brasileira, - Ana Thereza Leite -
    Ana Thereza Leite | 24.11.2011 | 00.18Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Teresa. O jornal Destak, é um jornal homossexual, benfiquista e do regime. Mais, os elementos que compõe este degredo são de uma inutilidade á prova de bala. A começar nas cronicas horriveis desta srª que só a D. Marluz gosta, passando pelo erros grosseiros de português, e claro, a famosa CENSURA. Não se preocupe. Faça como eu, limpe o cu a esta merda e siga o baile.
    anticristo | 07.11.2011 | 21.28Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Gostaria de saber porque não publicaram o meu comentário a este artigo. Poderiam informar-me qual é o critério para o fazerem?
    Teresa | 07.11.2011 | 12.47Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • É eu devo ser como o scolari.... apesar de ter sido um dos melhores treinadores que tenho memoria, digo, o burro soou eu????
    anticristo | 06.11.2011 | 21.28Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Estuda "lógica" e depois volta a analisar o que aqui disseste, ó ANTICRISTO, e vais ver a aberração...
    METE A CABEÇA EM ÁGUA BENTA | 06.11.2011 | 19.47Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Mas isso foi o que eu disse.... Quem quer acredita, quem não quer não acredita.
    anticristo | 03.11.2011 | 20.41Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Ó anticristo, na religião não se trata de acreditar ou deixar de acreditar em algo ou alguém, a religião (qualquer uma) é muito simpesmente um refugio de quem precisa de ajuda. Todos nós, TODOS, temos em qualquer altura da vida momentos em que nos sentimos débeis, fracos, desorientados, desiludidos e etc....e tal. Nesses momentos procuramos uma resposta, muitas vezes interior, para resolver a situação e é aí que entram as religiões, pois todas elas preconizam o mesmo...paz, amor, fraternidade ......assim que como o conceito de paz interior nos foi ensinado deste modo o ser humano espelha-se na religião que estiver " à mão", em Portugal a católica, nos países Àrabes a muçulmana e por aí adiante para desabafar as suas frustrações e procurar uma desculpa, e/ou, respetivo perdão interior para os seus erros. Por isso não tem lógica e é absolutamente desnecessário, para não dizer imoral, dizer mal desta ou daquela religião. Cada um é como é e ponto. Se a minha vizinha (por sinal até que... é uma rica vizinha) acredita que o seu canário amarelo lhe traz felicidade e até faz milagres só porque ela o pôe ao sol todos os dias...deixá-la...se é isso que a faz feliz. Não é isso que todos procuramos? A felicidade? Então que cada a procure como quer.
    pedro lindo | 02.11.2011 | 21.30Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Porque até agora, não há nenhuma prova cabal, factual, que tais seres existam. Só livros que alguem escreveu e que nao provam absolutamente nada. Quem quer acredita quem não quer nao acredita.
    anticristo | 31.10.2011 | 19.21Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Só dizes asneiras, ANTICRISTO. E por que raio é que achas que as pessoas deveriam renegar aos seus Deuses, se aí vem o fim-do-mundo?
    FIM DO COISO | 31.10.2011 | 18.31Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Benzer-me pra quê? Eu não quero ir pro céu. Se é que tal coisa existe. Entre o céu, com anjinhos a tocar harpa e santinhos, e a irma lucia e os pápas, e o inferno onde estão as malucas todas, as mamudas, o que é que achas que eu prefiro? Mais a mais com a chegada do Inverno está-se mt mais quente no inferno e poupa-se uma pipa de massa no gás e na electricidade.
    anticristo | 31.10.2011 | 17.22Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Ah ah ah ah ah... que novidade ó ANTICRISTO. És uma simpatia. Eu acho o mesmo, que o fim do mundo está próximo, mas acho que o melhor seria, por isso mesmo, benzeres-te.
    BENZE-TE PÁ :) | 31.10.2011 | 12.58Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Hoje não me apetece benzer. e mais, estou aqui para anunciar o fim do mundo tal como o conhecem. esta na hora de renegarem os vossos deuses, as vossas crenças religiosas, porque eu vou-me apoderar das vossas pobres e sujas almas. Ah ah ah ah ah ah. O fim esta próximo. Ah ah ah ah
    anticristo | 31.10.2011 | 11.47Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Se não sabes o que dizer devias mostrar alguma inteligência e calares-te, ó ANTICRISTO. Às vezes até dizes algumas coisas de jeito, mas outras, homem, vai apanhar ar e benze-te!
    BENZE-TE PÁ! | 31.10.2011 | 11.28Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Pois Luisa, voce traz para cima da mesa um tema muito interessante. A questão sobre se o bolo rei deve ter fava ou não, é mais antiga que o proprio bolo rei. Não sei se sabe, mas o bolo rei foi criado pelos Incas quando estes eram apenas simples nomadas que habitavam na Persia. E foi curioso como eles inventaram a tradição da fava. Segundo rezam as cronicas dos historiadores, um dos pasteleiros da época, por acidente enfiou uma fava no cu. Depois desse acontecimento teve a ideia brilhante de pôr a fava no bolo rei. Naquela altura, e segundo a tradição, quem encontrasse a fava não pagaria o bolo, mas teria que enrabar o pasteleiro. Com o decorrer dos tempos, quem encontrasse a fava acabaria por pagar o bolo rei. Nos dias de hoje, há muito gajo(?) que gostava de voltar à tradição inicial... Parabens luisa por mais uma cronica interessantissima. Foi uma boa questão esta que a srª aqui colocou, e que me deixou de facto a pensar sobre a questão da fava e do bolo rei. Para a semana, não espero menos do que a srª escrever sobre a importancia de apanhar grilos com, ou sem palha.
    anticristo | 29.10.2011 | 21.51Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Foda-se Marluz. Voce conseguiu vislumbrar essa merda toda que escreveu ao ler este post inutil da Luisinha. Fonix, voce tem ca uma imaginaçao que deixaria o Arthur Conan Doyle de rastos... Eu, alem de não ver merda nenhuma de jeito, ainda pergunto se isto não terá semelhanças com aquele filme horroso "musica no coração", onde o gajo tinha 50 filhos todos iguais.... Xiii lá vai a marluz insultar-me e usar palavras caras para me chamar ignorante e não sei que mais. Mal posso esperar. Esmere-se marluz, não me desiluda.
    anticristo | 29.10.2011 | 21.43Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • No Mundo cada vez mais globalizado ... os preconceitos religiosos devem ser deixados de lado ... Ser alegre, de bem com a vida e com a Natureza, com a mente liberta... Este post leva-nos a 2 planos. Considerando que estamos no plano de abstracção, do virtual ou do esotérico, cada um pode afirmar o que muito bem entender pois se a fé pode remover montanhas, não poderá nunca alterar uma vírgula à realidade… São estas situações que nos deixam a pensar que … afinal há uma “ordem suprema” que comanda tudo isto… o plano metafísico…Não se confundam ideias que têm existência metafísica com a imaginação … Este tema leva-nos a pensar… pensamento que também é capacidade de encontrar respostas perante os mistérios, numa ilógica que é lógica também, lógica matemática e filosófica…através da natureza e das ideias Platão … O Deus cuja existência é independente do mundo… Existe ou não existe (sim não) lógica primária do contraditório, mas há uma terceira via o talvez que a qual nos faz progredir através da dúvida, numa verdade por revelação divina … No plano da realidade, sei que tudo serve aos fracos e insignificantes para usarem como arma e arranjam os álibis…diversas leis e verdadeiras espécies psicológicas… cultos do esforço em que o homem muitas vezes é usado como meio e não como um fim em si mesmo… Existe muita manipulação…através da influência que exercem no comportamento dos fiéis… Sou contra os fanatismos impostos…E que em nome de Deus sejam executadas as maiores barbáries … A Religião tem por trás instituições de mil faces, um espaço de cruzamento de poderes políticos, religiosos, económicos e culturais…isto são factos consumados que não podemos negar …os mitos…maiores ou menores impurezas à mistura…uma arma, na história do agir humano... ao longo de séculos... Todas as religiões devem procurar à luz da razão, um plano para chegar à paz, e ao valor do ser humano a sua dignidade e respeito... Das outras fés e da sociedade em geral, haja tolerância...renovar...alimentar... Apesar de tudo uns tem uma força interior outros ... fé ... esperança ...União do Cosmos com o Universo Humano … todos os pontos de de vista muito interessante acerca do mundo que nos rodeia...
    Marluz | 26.10.2011 | 16.41Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Amennnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
    O PAI | 25.10.2011 | 17.33Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Cara Luisa . . . ! Os "irmão" em fila . . . ! Velhos tempos . . . ! Deus, Pátria e Familia . . . ! Mas, agora . . . ! A "troika" é . . . ! Mais "subtil" . . . ! Caldeirada, UE . . . ! E "malguinhas" . . . ! ! !
    alexandre barreira | 25.10.2011 | 06.59Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE