PUBLICIDADE
EDITORIAL

Gratos pelo dinheiro que foi bem gasto

26 | 11 | 2012   23.00H
Isabel Stilwell | editorial@destak.pt

Nos EUA, o Dia de Acção de Graças foi celebrado a semana passada, mas não há razão para que não seja quando um homem quiser. Aliás, num momento difícil em que aos problemas reais se soma um constante discurso catastrófico, que acusa a torto e a direito, cultiva a inveja e a desconfiança, precisamos urgentemente de exercitar a gratidão. 

Porque a gratidão não se limita ao optimismo, que é a capacidade de ver o mundo por lentes mais coloridas; a gratidão pressupõe a consciência de que as coisas boas resultam da generosidade, do esforço e do empenho dos outros, ou ainda da bondade divina. Ou seja, reforçam o sentimento de pertença, e a fé na humanidade, e lutam contra a ideia sinistra de que não há almoços grátis.

Se cada um de nós tem, felizmente, mil razões para estar grato, como país também as temos. Descansem, não estou a propor fazer mais um daqueles vídeos provincianos que pretendem mostrar aos alemães que são eles que nos devem tudo (e que só nos envergonham), nem sequer a falar das belezas naturais e do clima, mas da realização de que muito do dinheiro que recebemos, foi bem gasto. 

Esta semana estive no Hospital de Santa Maria, por exemplo, e achei-o irreconhecível, dos quartos à sinalização, das paredes pintadas ao atendimento. Como achei fabulosamente recuperado o liceu Passos Manuel, o Pedro Nunes e vários outros. E sinto-o sempre que percorro estradas mais seguras que poupam tempo e vidas humanas. 

Gastou-se muito dinheiro mal gasto, certamente; custa pagar a dívida para isso contraída, custa imenso, mas custa menos se valorizarmos aquilo que temos, aquilo com que ficámos.

© Destak
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE