ESTRANHO QUOTIDIANO

A meia hora de Chávez

28 | 11 | 2008   08.13H
J.L. Pio Abreu

Quem aterra desavisado em Caracas é submergido por insistentes ofertas de tudo, desde ajudas burocráticas e transfers até à troca de bolívares. A situação é confusa, e mais o é ainda porque os relógios não batem certos. Está convencionado que a hora de Caracas atrasa 4 horas em relação a Greenwich, tal como a de Washington e Nova Iorque durante o Verão. Mas Hugo Chávez ofereceu mais meia hora a todos os venezuelanos. Quando devia ser meio dia, são apenas 11 e meia. Foi mais uma forma de se distanciar dos americanos e de se dessincronizar do mundo inteiro.

Chávez esteve em eleições e tem o apoio dos pobres. Mas governa num tempo e num espaço em que os limites entre a pobreza e a criminalidade são indistintos, como são os limites entre os ideais revolucionários e o narcotráfico.

Com o preço do petróleo a descer, o bolívar afunda-se e o mercado negro do câmbio floresce sob a vigilância condescendente dos superintendentes governamentais fardados. E enquanto alguns se seguram em dólares e euros, desponta uma economia que explora e mantém os pobres pelo desespero de não poderem pagar aos usurários.

De qualquer modo, a Venezuela é democrática e as eleições locais mostraram que a vida de Hugo Chávez se está a tornar difícil. Além disso, depois da eleição de Obama, nenhum venezuealano vai gostar que ele se queixe do "inimigo americano".

Mas se não lhe chegar a ajuda do Magalhães e dos pré-fabricados do Grupo Lena, sempre lhe resta a meia hora.

© Destak

4 comentários

  • Coitado do Dr. Pio! Caíu no esquecimento. Por isso, e em verdadeiro gesto de solidariedade, aqui expresso o meu comentário. Pois, foi esse mesmo espírito que levou o nosso 1.º ministro a fazer publicidade à INTEL e partir, feito louco, por esse terceiro mundo fora, tentando disseminar o Magalhães por tudo quanto é sítio. Dizem por aí que nas próximas sortidas ele irá apresentar uma arrasadora novidade: o dito computador será 100% eficaz no tratamento de todas as doenças, inclusive a SIDA, e cumulativamente alcançará a salvação eterna. Há uns anos atrás havia quem fizesse o mesmo de feira em feira: os vendedores de sonhos e os da banha da cobra. Consta-se, ainda, que o Sócrates irá oferecer um milhão de Magalhães ao Chile, como contrapartida do modelo de avaliação de professores que este país cedeu, sem direitos de autor. Assim vai o mundo ... e amor com amor se paga.
    CHE GUEVARA (FILHO) | 03.12.2008 | 18.17Hver comentário denunciado
  • Até o Blogue dererummundi recomenda este artigo com um comentário pouco elogioso para Chávez e a Venezuela a que chama um país fora do tempo. Pena que não tenha em conta as ideias de um dos seus colaboradores, Desidério Murcho, pois se tivesse, em vez de chamar nomes à Venezuela, justificaria o porquê.
    Graco | 28.11.2008 | 23.18Hver comentário denunciado
  • Que estranho tropeço este, na sua lógica normalmente lúcida, caro Pio Abreu. Esperava qualquer coisa mais, como dizer... séria?...
    CHAVES | 28.11.2008 | 18.58Hver comentário denunciado
  • Chavez poderá e terá milhentos defeitos. No entanto teve uma grande coragem: dizer a Bush tudo o que os hipócritas ocidentais nunca tiveram coragem. O mundo ri e chama-lhe louco mas de "génio e de louco, todos temos um pouco". A ética, a moral e os princípios têm limites, sobretudo quando estão em causa outros valores tão nobres como a vida que Bush e seus seguidores, teimosamente, retiraram a milhares de humanos. Deixem-se de alinhamentos e justiça e pela paz mundiais. Por que havemos de ser facciosos pró-americanóides? Parece estar-nos nos genes! Eu existo, tu existe e os outros também...
    ESTROPIADO DE GUERRA | 28.11.2008 | 13.57Hver comentário denunciado