COLUNA VERTICAL

A boa notícia

16 | 06 | 2015   22.02H
José Luís Seixas

A integração do Nordeste Transmontano na Reserva da Biosfera Transfronteiriça da Meseta Ibérica pela UNESCO é uma excelente notícia que premeia o labor da candidatura, o trabalho desenvolvido por muitas e notáveis instituições locais, uma liderança de projecto eficaz e competente. 

O “Reino Maravilhoso” de Torga (pelo menos uma boa parte dele) passa a ser também um dos maiores postais ilustrados da natureza preservada europeia. Pena é – e este é o insistente lamento das populações – que o Governo, este como todos os que o antecederam, numa linha errática contínua, ignorem e menosprezem o património que ali orgulhosamente permanece. 

Património humano constituído pelos resistentes à tentação de partir; património imaterial formado pelos valores vincados dum povo que não esmorece e não se rende aos infortúnios; património natural de uma nobreza impar e de uma beleza encantatória. A erosão demográfica, porém, acentua-se. 

Paradoxalmente cada vez há menos vida apesar de cada vez haver mais qualidade de vida. Mas esta obsessão míope de reduzir e/ou retirar funções e serviços do Estado em razão da diminuição da população (e, desta sorte, agudizando o êxodo) conduz a região transmontana a uma situação de gravidade crescente. 

A solução, numa lógica adequada de ordenamento do território, seria exactamente a contrária: aproveitar as infra-estruturas existentes no interior e retirar o sobrepeso demográfico às grandes áreas metropolitanas. 

A mobilização da política fiscal para este desígnio, compensando a deslocalização decorrente através de incentivos tangíveis para as empresas e para as pessoas, é indispensável. De uma vez por todas há que perceber que a fiscalidade deve ser, também, um estímulo ao desenvolvimento e à integração territorial e não resignar-se a ser encarada como freio à iniciativa e desmotivação do trabalho.

© Destak
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE