COLUNA VERTICAL

Cid e as indignações

31 | 05 | 2016   22.48H
José Luís Seixas
Declaração de interesses: Sou bragançano. Digo-o com orgulho e com profundo sentido de pertença. Toda a minha família é transmontana. Até aos ancestrais mais longínquos, todos foram e somos fruto daquelas terras que nos marcam de forma mágica e indelével para sempre. Vem isto a propósito da repercussão pública que assumiu o triste episódio protagonizado pelo cantor José Cid. As coisas valem o que valem. E, nestes casos, valem em função do seu autor. Nesta concreta situação, muito pouco. A questão é, porém, outra. Bem mais importante e que vem sendo escamoteada nas observações de alguma indignação sobre a reacção das populações locais. Acredito piamente que nestas suas declarações de há seis anos Cid apenas tenha tentado uma graçola num ambiente descontraído. Mas o que afirmou representa uma certa imagem que o País cultiva, por pura ignorância, de Trás-os-Montes e do interior em geral. Essa ideia de um Portugal profundo e atrasado, medieval nos seus costumes, fora do tempo e do mundo, dos padrões estéticos e do cosmopolitismo persiste. Há muito português que conhece a Europa e a América e nunca foi a Bragança, a Mirandela ou a Vila Real…! Ora, o problema é precisamente esse. É que hoje o interior, designadamente o Nordeste, representa o que de melhor Portugal tem. Em qualidade de vida, em museus, em teatros, em vida cultural, em coexistência entre o novo mundo e a preservação da sua identidade e das suas tradições. O Estado propiciou alguns meios. As populações souberam aproveitá-los à exaustão, exponenciando, através da sua qualidade e do seu trabalho, a riqueza que endogenamente possuem. Os transmontanos, nesta reacção, apenas nominalmente visaram o baladeiro. Quiseram, sobretudo, denunciar a forma presunçosa como são tratados por muitos compatriotas e por um centralismo ignaro, prepotente e desleal que continuam reféns de imagens desfocadas de um passado que, em abono da verdade, sempre esteve compaginado com os tempos históricos que o País foi ultrapassando e vencendo. O autor escreve segundo a antiga ortografia.
© Destak
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE