OPINIÃO

Acorda Mourinho

26 | 10 | 2016   22.05H
Lídia Paralta | destak@destak.pt
À hora que escrevo estas linhas, José Mourinho e o seu Manchester United preparam o encontro da Taça da Liga frente ao City de Guardiola. Corro sempre o risco de o português se redimir à grande da desilusão (para não dizer quase desastre) que está a ser esta época de estreia no United, mas a verdade é que nem eliminar o City poderá mitigar isto: os red devils são sétimos na Premier League, com três derrotas e dois empates em apenas nove jogos e já estão a seis pontos do topo da tabela. É certo que Mourinho encontrou em Old Trafford um plantel desequilibrado, com muitos jogadores que não são a sua cara, mas tem o seu dedo as contratações de Paul Pogba e Zlatan Ibrahimovic, elementos em claro sub-rendimento neste início de temporada, principalmente se olharmos para o que custaram (no caso do francês) ou que ganham (o sueco não foi para Inglaterra receber trocos). Mourinho não está isento de culpas: o treinador português tem tentado rentabilizar a rapidez de Pogba na posição 10, mas o francês é, e nunca vai deixar de ser, um jogador para o miolo do terreno. Já Ibrahimovic vai jogo após jogo sofrendo de solidão na frente do ataque, onde a bola não chega. O sueco já não está para grandes correrias, diga-se, mas apoio é coisa que lhe tem faltado. Até porque Mourinho tem deixado de lado alguns dos poucos jogadores disponíveis com futebol nos pés. Juan Mata é aposta intermitente e Henrikh Mkhitaryan, outra das contratações milionárias do United, demora a adaptar-se à Premier League. Resultado: o futebol do Man. United é amorfo, sem fio, sem intensidade, sem interesse. E até a garra a que as equipas de Mourinho nos habituaram parece ter desvanecido. Está na hora de acordar.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE