COLUNA VERTICAL

Posse de Trump

17 | 01 | 2017   23.04H
José Luís Seixas
Esta semana é dominada pela posse de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos. Se a cerimónia é sempre um acontecimento de elevada repercussão mundial merecendo o discurso do empossado uma análise fina onde se tentam descobrir as orientações políticas concretas que dominarão o seu mandato, esta contém um ingrediente suplementar da maior importância: por vez primeira ouviremos o Presidente, nesta precisa e formal qualidade, proferir uma intervenção com conteúdo (pelo menos algum) e com asserções concretas (releve-se o pleonasmo). O Mundo aguarda, com particular ansiedade, a descoberta do Trump presidente e institucional, o qual dirá ao que vem: ou ao regresso do proteccionismo, do uniteralismo americano e do desinteresse relativamente aos tratados transatlânticos comerciais e de defesa, ao afastamento do tradicional e histórico sistema de alianças, ou o milagre da reciclagem com a emergência de um Trump novo, surpreendentemente prudente e responsável, honrando a história da América. Ninguém acredita nesta última suposição. Trump confirmará o que de pior e de mais perigoso dele se espera. Será sobranceiro para a Europa e confirmará a sua disponibilidade para o diálogo bilateral com a Rússia. E fará mais: esforçar-se-á por fragmentar a Europa e assim mais facilmente a quebrar economicamente e dominar politicamente. Nesta miopia de horizontes, facultará à Rússia o que esta nunca teve. E a Europa, sem liderança e completamente à deriva como todos os dias o demonstra, facilitar-lhe-á a vida. O mundo, a partir de sexta-feira, ficará muito mais perigoso. Entre a jactância extrema do Presidente americano e a estratégia czarista do presidente russo. Até ao dia em que o Partido Republicano se envergonhe do Presidente que começou por abjurar, tentou evitar e acabou por aclamar. Aí poderá renascer algo de novo. E a História considerar Trump como um episódio infeliz e caricato, exemplo das vulnerabilidades que a democracia também encerra. O autor opta por escrever de acordo com a antiga ortografia
© Destak
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE