HORA BOLAS

Desportivismo

12 | 02 | 2017   22.22H
João Malheiro
O que é cultura desportiva? Não, não é tanto perceber do fenómeno desportivo. O que é cultura democrática? Não, não é tanto perceber dos valimentos da democracia. Cultura desportiva, cultura democrática é, mais ainda, respeitar adversários, respeitar opiniões, respeitar sensibilidades, respeitar históricos. É pugnar pela serenidade nas abordagens, é pugnar pela harmonia nas celeumas, é pugnar pela congruência nos conflitos. Benfica e Sporting, os dois mais representativos emblemas desportivos nacionais, consabidamente, cultivam uma rivalidade secular. Desde as matrizes classistas (mais popular a alavanca vermelha, mais aristocrática a alavanca verde), passando por incontáveis episódios, as duas instituições fazem muitos dos gastos emocionais de milhões de cidadãos e preenchem grossa fatia das atualidades noticiosas. Benfiquista desde a mais remota memória, tenho uma vida indissociável do grande clube da Luz, no qual fui mesmo profissional e onde descobri uma segunda família, passível de me suscitar inúmeros momentos de enorme conteúdo, tão quotidiana e não menos arreigada é a minha afeição. Mas a cor predileta jamais me cegou, jamais me castrou. No Sporting, ao longo de décadas, fiz amizades múltiplas, das quais me orgulho. Foi assim, a título de exemplo, com Travassos, Jesus Correia, Vítor Damas. É assim com Hilário, Manuel Fernandes, Oceano. Fui, há dias, ao aniversário de Bruno de Carvalho, a seu convite e da sua noiva. Alguns correligionários meus criticaram, talvez alguns sportinguistas tenham criticado o seu presidente. Fui recebido de forma cordial por largas dezenas de pessoas. E querem saber? Não fui alvo de uma só crítica, muito menos de qualquer provocação. Desculpe-se-me a imodéstia, mas tomara eu que o exemplo frutificasse. A bem da cultura desportiva.
© Destak
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE