OPINIÃO

A desconstrução do mundo

28 | 03 | 2017   22.54H
Eduardo Vítor Rodrigues (Presidente da Câmara de V. N. Gaia)
Se, há 20 ou 30 anos, nos mostrassem as notícias do futuro, provavelmente nunca acreditaríamos no que está a acontecer. Heróis e mártires lutaram por direitos e liberdades que hoje se desprezam e atacam de forma atroz. Génios e inventores criaram instrumentos para termos uma vida melhor. Líderes políticos batalharam por apoios aos seus povos. E hoje? O que vemos? Um presidente dos Estados Unidos – a terra dos sonhos e da liberdade – que, depois do assustador combate aos imigrantes e da falha na anulação do Obamacare, procura destruir a política energética do seu antecessor. A sua (não) preocupação com as alterações climáticas é conhecida de todos, por isso esta novidade deve constituir mais um sério alerta para o mundo. Na Europa, voltou o medo, depois de novo ataque terrorista em Londres. Outro golpe no sentimento de segurança no dia a dia e, por isso, na liberdade de todos. A Holanda trouxe, apesar dos receios, boas notícias – a extrema-direita não venceu. Mas continua, assustadoramente, a ganhar peso e vozes por todo o continente. Enquanto isso, líderes engravatados ameaçam, diariamente, com sanções países que lutam por melhorar números sem deixar o povo à fome. Por melhorar números que o poder da banca, e não o povo, destruiu. Em Mossul, o Estado Islâmico usa crianças, mulheres e homens como escudos perante os ataques da coligação internacional. Matam-se centenas de civis. Na Síria, continua a viver-se o pior exemplo da desgraça humana, enquanto milhares continuam a tentar fugir para salvar (?) a vida. Dizem os serviços secretos americanos que vivemos num mundo onde o risco de conflito, crescimento económico reduzido e pressões antidemocráticas é o maior desde a Segunda Guerra Mundial. Haverá alguma surpresa? Onde estão, afinal, os valores por que tantos se sacrificaram?
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE