OPINIÃO

Aprender com Leonardo da Vinci

04 | 04 | 2017   23.05H
Eduardo Vítor Rodrigues (Presidente da Câmara de V. N. Gaia)
Desde o dia 31 de março que podemos visitar, na Alfândega do Porto, uma exposição interativa dedicada à arte e ciência daquele que foi um dos maiores génios de todos os tempos. Ali podemos ver os protótipos antecessores do helicóptero, do tanque de guerra, do parapente. Leonardo da Vinci continua a dar que falar e é inspiração para todos nós, como pensador, inventor, artista e homem da ciência. Patrono das artes e ciências, Leonardo da Vinci deve fazer parte dos currículos escolares desde a mais tenra idade. A sua criatividade e engenho são inigualáveis e servem de exemplo aos mais novos, que ainda têm todos os sonhos do mundo nas suas pequenas cabecinhas. Falar deste homem dos mais do que sete instrumentos é, acima de tudo, falar de criatividade e de persistência, que são dois conceitos por excelência da educação do futuro. Podemos dizer que Da Vinci antecipou algumas das tendências atuais, como o conhecimento, a inovação e o empreendedorismo. Formar as nossas crianças, preparando-as para o futuro, é utilizar a receita de Leonardo da Vinci de há cinco séculos. As suas lições são mais atuais do que nunca. A educação dos mais novos deve espelhar essa homenagem ao génio dos génios, que não foi se não um explorador de mundos. Leonardo tentava e errava, lançava hipóteses, fazia experiências. Através dele podemos conhecer os meandros do método científico. O meu desejo é que a educação nas escolas não marginalize a vida e a obra deste visionário com quem temos tudo para aprender. Para aprender coisas, mas também para aprender a ser e a fazer. Aprender a ver para lá do horizonte, aprender a ser mais do que a própria vida. Leonardo da Vinci inspira-nos e é um dos mais altos exemplos de que a educação deve munir-se para cativar as nossas crianças.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE