HORA BOLAS

Invocar Salazar

07 | 05 | 2017   23.15H
João Malheiro
Não há balizas para o despautério. Na ameaça da quarta derrocada consecutiva, o FC Porto berra, desmesuradamente, contra uma suposta Liga Salazar, subestimando o provável tetracampeão, sem qualquer pudor de conspurcar a história. O Benfica, no decurso do regime ditatorial, teve vários presidentes oposicionistas (Félix Bermudez, Manuel Conceição Afonso, Ribeiro da Costa, Tamagnini Barbosa, Júlio Ribeiro), ao invés do FC Porto, com figuras gradas do fascismo (Urgel Horta, Ângelo César). Não se disputava a Liga Salazar? Os dirigentes do Benfica eram eleitos (em sufrágios democráticos para desconforto da vigilante PIDE), ao contrário dos diretores do FC Porto, sempre nomeados. Não se disputava a Liga Salazar? O grémio nortenho teria que disputar por duas vezes a II Divisão (39/40 e 41/42, acabando até por se sagrar campeão), ordenados foram pela Federação dois cirúrgicos alargamentos. Não se disputava a Liga Salazar? O recinto do Campo Grande, instância rubra, foi inaugurado a 5 de Outubro, enquanto a velha Luz no 1º de Dezembro e apenas porque não estava concluída no dia da implantação da República, ao passo que o Estádio das Antas recebeu o batismo a 28 de Maio, data alusiva à implantação do sistema ditatorial. Não se disputava a Liga Salazar? O hino oficial do clube lisboeta era o “Avante Benfica”, que veio a ser proibido pela Censura, por analogia ao “Avante”, órgão clandestino do PCP. Não se disputava a Liga Salazar? O jornal oficial do Benfica foi, durante anos, dirigido pelo democrata José Magalhães Godinho, mais tarde dirigente do PS, tendo sido amiudadas vezes intimidado. Não se disputava a Liga Salazar? E nem é necessário contar a verdadeira história do ano Calabote, um ano azul. O FC Porto, agora, ao invocar Salazar, faz autogolo. Salazar é para o Benfica escarniar.
© Destak
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE