OPINIÃO

Vive la France!

09 | 05 | 2017   23.50H
Eduardo Vítor Rodrigues (Presidente da Câmara de V. N. Gaia)
No dia seguinte às presidenciais francesas lia-se na capa do «El País» que a França derrotara o radicalismo. Já o «The Guardian» escrevia na sua capa que a França continua dividida, apesar de Macron ter ganho as eleições. Ambas as mensagens são acertadíssimas. A noite de domingo passado trazia uma vaga de esperança demonstrada pela resistência de uma larga maioria de franceses ao projeto radical e extremista de Marine Le Pen. Por outro lado, a Frente Nacional reforçou a sua votação, tendo conseguido cerca de 11 milhões de votos, o que não é de desprezar. São muitas as pessoas que apoiam as ideias nacionalistas e securitárias de Marine Le Pen. Emmanuel Macron terá pela frente a árdua tarefa de voltar a unir a França contra o medo e as divisões. “Vocês escolheram a audácia, e vamos persegui-la. Porque é o que a Europa e o mundo esperam de nós. Esperam que a França os espante de novo, que a França seja ela própria”, disse Macron no seu discurso de vitória. Aconteceu em França o que já tinha acontecido na Holanda e na Áustria. A Europa parece resistir aos apelos dos programas radicais da extrema-direita e do populismo que a têm posto em causa. Com Macron esperamos que o projeto europeu prossiga com novas propostas de renovação por si já anunciadas. A Europa precisa de reforçar a convicção coletiva nas suas instituições e é isso mesmo que o recém-eleito presidente francês promete defender em toda a linha. O modelo económico e social que sai vencedor destas eleições não é propriamente o meu preferido, como socialista, porque representa a vitória do liberalismo de centro direita, mas é evidente que é a solução mais democrática, em favor da Europa e da união dos franceses. Aguardemos agora para ver o que sai das eleições legislativas em junho… Vive la France!
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE