OPINIÃO

O exemplo do Papa Francisco

16 | 05 | 2017   21.48H
Eduardo Vítor Rodrigues (Presidente da Câmara de V. N. Gaia)
Apesar de curta, a passagem do Sumo Pontífice pelo nosso país serviu para aproximar os portugueses de uma mensagem de paz e de esperança que não deixa de fora os deserdados da sociedade. Com efeito, o Papa Francisco fez questão de não excluir ninguém da sua mensagem de fé cristã, especialmente “os doentes e as pessoas com deficiência, os presos e os desempregados, os pobres e os abandonados”. Assim, o Santo Padre fez questão de incluir os desfavorecidos e os excluídos na sua voz, dando voz aos que não a têm. Ao mesmo tempo que incluía na sua mensagem pessoas que estão à margem, o Santo Padre sublinhava que a Igreja deve prosseguir a sua missão sem esbanjamento e ou luxos. Uma verdadeira lição de humildade e simplicidade foi o que o Papa Francisco nos trouxe. Todos somos interpelados a agir e a deixar de parte a indiferença que por vezes invade os nossos corações de seres humanos acomodados aos seus estilos de vida. A mobilização para a ação do Papa Francisco é uma tomada de consciência geral que passa pela valorização ética dos nossos gestos e atos do quotidiano: "O Céu desencadeia aqui uma verdadeira mobilização geral contra esta indiferença que nos gela o coração e agrava a miopia do olhar. Não queiramos ser uma esperança abortada! A vida só pode sobreviver graças à generosidade de outra vida". Com estas palavras interpelou-nos o Papa Francisco, que abençoou uma multidão de mais de 500 mil pessoas em seu redor, muitas delas acabadas de fazer a sua peregrinação a pé a Fátima. O país inteiro ficou suspenso nas suas palavras e no seu exemplo. Um exemplo de sapiência que não quis deixar de descrever nesta minha crónica semanal em jeito de agradecimento, pela mensagem única que o Papa Francisco nos transmite.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE