OPINIÃO

Abandono animal não é opção

11 | 07 | 2017   22.49H
Eduardo Vítor Rodrigues (Presidente da Câmara de V. N. Gaia)
Com a chegada do verão e do tempo de férias, surgem inúmeras preocupações que, ao longo do ano, não nos inquietam de uma forma tão intensa. Os apelos e as campanhas multiplicam-se. Os alertas surgem das mais variadas formas, mas a verdade é que o abandono dos animais de estimação, quer sejam cães ou gatos, continua a ser um flagelo que deve deixar-nos apreensivos. Nesta altura do ano, o Centro de Reabilitação Animal de Gaia está ainda mais alerta para uma realidade que, apesar das campanhas de sensibilização, continua a persistir. Esta equipa está sempre disponível para acolher os que mais precisam, mas este não deve ser o paradigma de atuação. Um animal não pode ser encarado como um objeto e nenhuma adoção pode ser vista como temporária. Um animal de estimação deve ser prezado, cuidado, amado. Caso não tenha possibilidade de o levar consigo nas suas férias, existem opções que devem ser equacionadas, no seio da sua própria família ou de instituições que trabalham para o ajudar nestes momentos de maior necessidade. O abandono nunca deverá fazer parte desta equação. Há quem aponte a falta de consciencialização dos futuros donos dos animais como uma das principais causas do abandono. Não posso deixar de concordar. Adotar pressupõe preparação. Por isso, no Centro de Reabilitação Animal de Gaia é feito um trabalho prévio, caso a caso, para perceber se aquela adoção em particular não é fruto de um capricho momentâneo. Depois dessa avaliação, é feito um acompanhamento contínuo no sentido de ajudar a família a integrar o novo membro da melhor forma possível. Importa educar, consciencializar e continuar a colocar o «dedo na ferida» para que estas situações não continuem a preencher páginas dos jornais
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE