OPINIÃO

Como não atacar o mercado

13 | 09 | 2017   22.22H
Lídia Paralta | destak@destak.pt
Na última época, o Sporting investiu muito em contratações e não se deu particularmente bem: de um camião de reforços, alguns bem sonantes, como Markovic, Elias ou Joel Campbell, só Bas Dost rendeu. Os resultados não se fizeram esperar. Antes do Natal, já o Sporting estava fora das competições europeias e com o campeonato comprometido. Esta temporada, e com o FC Porto quase ausente no defeso, a contas com o fair-play financeiro, o derrotado do mercado parece ser o Benfica. Não pelo que comprou, mas mesmo pelo que não comprou. Os encarnados encheram os cofres com as vendas de Ederson, Victor Lindelof, Nélson Semedo e Mitroglou mas, na hora de comprar, acanharam-se. E entre lesões e falta de melhor, posições essenciais estão, neste momento, desfalcadas. Os casos mais visíveis surgem na baliza e no eixo da defesa. André Moreira esteve para vir mas não veio e Bruno Varela tem sido titular. Primeiro de recurso, agora a valer. Na defesa, e entre um vórtex de contratações estranhas para a lateral-direita, o Benfica esqueceu-se de reforçar-se com um central de qualidade. Chamado à titularidade com a lesão de Jardel, Lisandro López não tem, pela enésima vez, justificado o lugar. E Luisão não vai para novo. Para já, a única contratação que tem dado frutos chama-se Seferovic. Porque chegou a custo zero e tem marcado. Mas também vai oscilando entre grandes jogos e momentos de completa ausência. A derrota no primeiro jogo da Champions, com o CSKA, tornou os problemas mais visíveis, até porque o Benfica ainda só perdeu dois pontos no campeonato. Mas por esta altura muitos benfiquistas já estarão a suspirar pela chegada da janela de transferências de janeiro.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE