COLUNA VERTICAL

O perigo das correntes de ar

20 | 09 | 2017   23.45H
José Luís Seixas
O “mar de rosas” que, com pompa e circunstância, conforma o discurso do Governo colou. Os portugueses sentem, mais por indução do que por dedução, que a situação do País é melhor, há mais desafogo, a economia recupera e a credibilidade externa foi restaurada. Por isso, a descompressão que vivem leva a que gastem mais, revivam prazeres e hábitos antigos, consumam e se endividem. As próprias campanhas autárquicas são o espelho deste novo clima com promessas de muitas obras e gastos públicos - necessários uns, sumptuários a maior parte - e com a evidência duma lógica clientelar apetente de lugares e mordomias que vai alimentando o que, apesar disso, é morno e decorre perante uma generalizada indiferença. Face a este ambiente de um tímido optimismo dois discursos se defrontam. Ambos capciosos. Um de encómios ao génio da dupla Costa/Centeno, artífices do “milagre económico português”. Outro da negação persistente de tudo, mesmo do que, efectivamente, corre melhor. Perante esta dialéctica, sem síntese possível, resta perguntar onde está o bom senso e a prudência. Os 249.165 milhões de dívida pública segundo o BdP (132,4% do PIB) continuam a ensombrar o futuro e a envergonhar-nos junto dos nossos parceiros europeus. A insignificância da poupança privada, batendo recordes, embora com justificações várias, desde logo a total ausência de instrumentos que a cativem e promovam, não consente nem festas nem festanças. Em suma, andamos melhorzinho mas ainda sem resistências para suportar uma leve constipação. E as correntes de ar vêm aí, já no próximo Orçamento. Cheira-me…! O autor escreve segundo a antiga ortografia.
© Destak
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE