OPINIÃO

Belmiro de Azevedo e a educação

05 | 12 | 2017   18.05H
Eduardo Vítor Rodrigues (Presidente da Câmara de V. N. Gaia)

Muito tem sido dito sobre Belmiro de Azevedo, mas uma das facetas porventura menos conhecida daquele que foi o maior empresário do pós-25 de abril em Portugal, que nos deixou a semana passada, é a dedicação a áreas como a educação. De facto, a Fundação Belmiro de Azevedo tem um projeto de reflexão e intervenção, intitulado EDULOG, que demonstra que a este grande empresário não eram alheios os destinos da educação que se faz em Portugal.

Pretende-se com o EDULOG contribuir para uma educação de excelência, “para que o país possa semear hoje a sustentabilidade económica, social e cultural que torne Portugal menos vulnerável”, lê-se no agradecimento póstumo que o projeto endereça ao seu fundador no respetivo sítio da internet.

Belmiro de Azevedo afirmou acreditar que é o estímulo na aprendizagem pela escola que pode vir a ajudar a construir uma sociedade melhor. Belmiro dizia que foi o seu professor da primária que o “viciou em educação”!

Três palavras modelam o projeto EDULOG: pensar, atuar e renovar. Através deste projeto são concebidos novos modelos educativos, na tentativa de construir uma educação de excelência que seja capaz de ser o motor para o desenvolvimento integral de um país. O EDULOG inclui, também, um observatório da realidade e das práticas atuais da educação no nosso país.

Tudo isto significa que Belmiro, a par de ter construído um império, manteve-se preocupado e atento, tentando contribuir para a vida pública com projetos inovadores. Agora que nos deixou, mantemos a esperança de manutenção e crescimento do projeto que pode ajudar gerações através de um novo olhar sobre a educação. Na semana passada, além de termos perdido uma figura fundamental da iniciativa privada em Portugal, perdemos um dos grandes viciados em educação!

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE