OPINIÃO

Um ano no futebol português

20 | 12 | 2017   23.28H
Lídia Paralta | destak@destak.pt

O ano da graça de 2017 será sempre o ano em que o futebol passou a jogar-se em mail, programas de televisão e quejandos, em vez dessa coisa antiquada que é a relva e as quatro linhas. Será o ano em que dados privados passaram a ser públicos e o ano em que toda a gente parece ter ficado impune: quer os que invadiram dados alheios, quer os que surgindo nesses dados a praticar o que parece ser ilícito, também não foram chateados. Será o ano em que agentes que não desportivos falaram e falaram e falaram nos media, atacaram meio mundo, foram atacados e não falaram de futebol, mas sim daquilo que mais fastidioso o rodeia.

Foi o ano em que se criticou com a mesma veemência, com a mesma ferocidade a falta do VAR e o VAR itself. Foi o ano em que se falou mais de iguarias gastronómicas, como o polvo, do que de um remate certeiro, de passe perfeito, de um golo bonito. Foi o ano em que ouvimos falar mais de diretores de comunicação de clubes do que dos seus artistas. Foi o ano em que eles tomaram conta das redes sociais e o ano em que toda a gente os seguiu, sem critério que fosse a não ser a cor clubística.

Não foi o melhor ano para o futebol português, ou pelo menos para o futebol que se joga em Portugal. Ou bem, pelo menos para quem gosta de futebol, na medida em que dentro de campo até aconteceram coisas boas. Há equipas médias a jogar bom futebol, há mais equilíbrio entre os três grandes e até entre os três grandes e os outros e a competitividade também está a subir. Os jogadores e os treinadores estão a fazer o seu trabalho. Faltam os outros.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE