OPINIÃO

O novo herói de França

27 | 03 | 2018   17.03H
Eduardo Vítor Rodrigues (Presidente da Câmara de V. N. Gaia)

O frenesim das notícias que têm sido publicadas, à escala mundial, e a tendência para só relevar o que é negativo não terão permitido dar a devida importância e valor ao ato de Arnaud Beltrame, o comandante da polícia em Trèbes/Carcassone (sul de França), no passado dia 23 de Março.

Este tenente-coronel da polícia francesa, de 45 anos, ofereceu-se para substituir uma refém que o terrorista do DAESH fez num pequeno supermercado em Trèbes, acabando por dar a sua vida para salvar clientes e funcionários que estiveram cativos. Foi um ato de extrema coragem, um exemplo maior do sentido do dever. Este agente mostrou uma generosidade excepcional, num verdadeiro momento de contraste entre quem ataca e mata inocentes e quem oferece a sua vida para salvá-los.

Num tempo em que parece valer tudo, eis que surge uma pessoa que, com o seu ato, fez renascer a fé na humanidade. É com exemplos destes que se combate a barbárie e a violência desumana de radicalismos espúrios. Pensando em atitudes destes, podemos confiar que as desumanidades extremistas serão derrotadas.

Arnaud Beltrame é o novo herói francês, com as merecidas vénias e reconhecimentos. O Presidente da República de França, Emmanuel Macron, tem-lhe prestado todas as honras, apelando a todos os franceses para homenagearem a sua memória. Portugal faz parte da União Europeia. Neste atentado, uma das vítimas que ficou gravemente ferida é portuguesa. O terrorismo do dito Estado Islâmico diz respeito a todos e por isso Arnaud Beltrame é também herói da União Europeia e a sua memória deve ser honrada por todos nós. Beltrame morreu pela pátria e o seu heroísmo nunca deverá ser esquecido.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE